Con el patrocinio de:

Exportações portuguesas cresceram no primeiro semestre de 2021

Mercado espanhol é o segundo que mais lucros deu a ganhar às empresas lusas

Comparte el artículo:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Os dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) indicam que no primeiro semestre de 2021, mesmo com várias empresas com as portas encerradas, a economia lusa viu as suas exportações crescerem mais de 24% em comparação com o período homólogo anterior. Esta subida nas exportações, que indica que o país está a ultrapassar os efeitos da pandemia, é alcançada graças a venda de alimentos, químicos e maquinaria ao Reino Unido, Espanha e França. Com o segundo maior contributo para a recuperação portuguesa, Espanha deu a ganhar mais 715 milhões de euros aos exportadores lusos.

Esta é a maior venda de produtos ao exterior desde o início destes registos e traz uma facturação de 900 milhões de euros. Em relação a venda de bens, estes ficaram quase 3% acima do valor registado no primeiro semestre de 2019, antes do início da pandemia. As exportações portuguesas ainda não estão no seu ponto alto devido a quebra na exportação de automóveis, couros e artigos de vestuário que fizeram com que os produtores sedeados em Portugal perdessem um total de 1.115 mil milhões de euros.

O sector dos combustíveis, um dos mais importantes para a economia graças às taxas e impostos colocados pelo governo, recuou apenas 47 milhões de euros, comparando com o que acontecia no período pré-pandemia. Tal situação pode ser explicada por o preço dos combustíveis estar a bater recordes de uma forma quase constante desde o primeiro período de confinamento.

Em relação às importações, estas caíram 5,4% e as quedas foram mais acentuadas nos combustíveis e nos materiais de transporte. O PIB, que nos primeiros três meses de 2021 caiu de forma acentuada e colocou Portugal no topo das nações europeias que mais perderam, deverá crescer graças a procura doméstica.

Noticias Relacionadas

¿Principado andalusí de Évora? (I)

En la Baja Edad Media quedó establecido institucionalmente que el heredero a la Corona de Castilla fuera designado como príncipe de Asturias antes de subir

Deja un comentario