ARCOlisboa voltará a decorrer em formato digital

Organização pensa já em 2022 e numa feira presencial na Cordoaria Nacional

Comparte el artículo:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

A Câmara Municipal de Lisboa e a Feira Internacional de Madrid (IFEMA), dois dos organizadores da ARCOlisboa, anunciaram num comunicado que devido a situação pandémica a edição deste ano, que deveria acontecer de 16 a 19 de Setembro na Doca de Pedrouços, vai decorrer apenas em formato digital pelo segundo ano consecutivo. Este formato, segundo a organização, permitir que as galerias convidadas possam, mesmo com restrições de mobilidade, «expor as suas propostas e manter o contacto com coleccionadores e compradores de todo o mundo».

Esta feira digital vai decorrer na plataforma ARCO E-XHIBITIONS (utilizada no formato híbrido usado pela ARCOmadrid este ano), que vai ter um programa de visitas exclusivas às galerias aderentes. A ARCOlisboa, que acontece desde 2016, vai decorrer de 13 a 19 de Setembro mas terá acesso VIP a partir do dia 12. Tanto a IFEMA como a Câmara Municipal já tinham anunciado o adiamento para Setembro, já que Maio é o seu habitual mês e a Cordoaria Nacional a sua habitual casa desde que a Arco é feita em Lisboa e por onde já passaram importantes artistas, galeristas e museus internacionais.

Já que a feira deste ano vai decorrer digitalmente, a organização pensa na próxima «edição presencial» da ARCOlisboa, que terá lugar de 18 a 22 de Maio de 2022, na Cordoaria Nacional. Na última edição presencial da ARCOlisboa, em 2019, estiveram presentes 71 galerias de arte contemporânea, especialmente portuguesas e espanholas. Pela Cordoaria Nacional passaram 11 mil visitantes e 470 artistas de 17 nacionalidades diferentes.

Noticias Relacionadas

Verde na poesia portuguesa

“Cada rua é um canal de Veneza de tédios                                                                                 E que misterioso o fundo unânime das ruas                                                                                 Das ruas a cair da noite,

Deja un comentario