Grutas com vestígios do Paleolítico poderão ser visitadas graças a tecnologia 3D

Projeto First-Art pretende incentivar a conservação das únicas grutas com vestígios do Paleolítico no sudoeste da Península Ibérica

Comparte el artículo:

Compartir en facebook
Compartir en twitter
Compartir en linkedin
Compartir en whatsapp
Compartir en telegram
Compartir en email

As grutas do Escoural e de Maltravieso, as únicas do sudoeste ibérico com vestígios de arte rupestre do Paleolítico, estão a ser estudadas. Desde 2018, e graças ao projeto First-Art, a mais moderna tecnologia do século XXI está a ser usada para decifrar os segredos das grutas. Estes exemplos do paleolítico são únicos em Portugal e em Espanha. Estes dois destinos poderão ser visitados através de modelos 3D. Os locais, um no concelho alentejano de Montemor-o-Novo e o outro em Cáceres, poderão ser visitados de forma virtual. Isto vai acontecer graças a conjugação de imagens reais com 3D que ajudam a recriar estas grutas.

A tecnologia SLAM vai permitir, através de personagens, recrear as atividades que as pessoas da pré-história faziam em ambas grutas. Um maior numero de pessoas poderão visitar estes locais sem os colocar em risco. O público também vai poder interagir com os objetos da gruta usando as próprias mãos. Isto será possível através dos comandos de realidade virtual. O percurso poderá ser feito em espanhol, português ou inglês. O narrador da visita à gruta de Escoural será um trabalhador rural que participou nas primeiras escavações a este local. Esta gruta tem 50.000 anos de história.

Proporcionar ao turista uma experiência intensa é o grande objetivo da First-Art. Este projeto, que conta com um financiamento comunitário de meio milhão de euros, pretende incentivar a conservação, documentação e gestão das grutas. Tudo isto através da cooperação transfronteiriça. As grutas do Escoural e de Maltravieso apresentam as «primeiras manifestações de arte rupestre no sudoeste da Península Ibérica».

Noticias Relacionadas