Tartufo de Moliére chega ao palco graças ao trabalho de artistas portugueses, galegos e franceses

Projeto Nós/Nous une alunos de escolas de teatro e leva aos palcos espetáculos poliglotas e contemporâneas

Comparte el artículo:

Três companhias de teatro, de Portugal, Espanha (Galiza) e França, uniram-se para apresentar uma leitura da peça Tartufo, de Moliére. A arte vai desta forma atravessar fronteiras com uma das peças mais famosas de língua francesa de sempre. Esta é uma peça contemporânea e poliglota que se desenvolve em cinco atos. Temas como o casamento homossexual, o fanatismo religioso e o conservadorismo. Tartufo é um texto setecentista conta os jogos de poder dentro de uma família de burgueses que é afetada pela chegada de um falso profeta que quer ascender socialmente.

O espetáculo será encenado pelo português Tónan Quito e contam com atores e técnicos lusos, galegos e franceses. Todos os participantes são alunos finalistas das escolas: ENSATT (Lyon), ESAD (Vigo), ESTC (Lisboa) e ESMAE (Porto). Tartufo é feito em parceria com os teatros Célestins – Théâtre de Lyon, Centro Dramático Galego de Santiago de Compostela, Teatro Nacional D. Maria II e o Teatro Nacional São João.

Este clássico do teatro vai ganhar uma nova abordagem graças ao projeto Nós/Nous. Este projeto cria anualmente uma performance artística que une artistas dos três países. A primeira apresentação vai acontecer no Teatro D.Maria II de 22 a 26 de Junho. Após a apresentação em Lisboa vão seguir para o Teatro Nacional São João (Porto), onde vão estar de 29 de junho a 2 de julho. Em Santiago de Compostela, na Galiza, vão estar de 7 a 9 de julho. A digressão vai terminar em Lyon (França), nos dias 15 e 16 do próximo mês.

Noticias Relacionadas

El hecho local en Iberia

Cuando Francisco Pi y Margall proponía en su libro Las nacionalidades, de 1877, el principio de su concepción federal de España otorgaba todo el protagonismo