Cruzeiro Religioso e Cultural do Tejo vai unir as populações ribeirinhas luso-espanholas

Peregrinação ribeirinha pretende dar força á identidade única que é criada junto ao Tejo

Comparte el artículo:

As populações ribeirinhas de Espanha e de Portugal vão reunir-se, mais uma vez, em volta da Senhora dos Avieiros e do Tejo. A IX edição do Cruzeiro Religioso e Cultural do Tejo/III Cruzeiro Ibérico vai começar já no próximo sábado, dia 20 de maio, e termina a 18 do próximo mês. A antecipação deste cruzeiro deve-se ao baixo caudal que o Tejo tem em alguns lugares, o que fará com que a imagem tenha de circular por terra.

A organização deste cruzeiro pretende dar «força à identidade ribeirinha, quer de portugueses quer de espanhóis que vivem nas margens e na bacia hidrográfica do Tejo». São populações que vivem perto do Tejo e pretendem que o mesmo seja devolvido a elas, mas tem diferentes culturas e modos de viver. Durante estes dias, as populações ribeirinhas poderão conhecer um pouco mais sobre os seus vizinhos ribeirinhos. Esta edição, que será a mais longa de sempre, conta com 16 etapas e uma paragem em 60 localidades junto ao Tejo.

A primeira destas etapas vai unir as populações de Rosmaninhal (Portugal) e Alcântara, Santiago de Alcântara, Herrera de Alcântara e Cedlilho (todas em Espanha). O final, como em anos anteriores, será em Oeiras. Novas terras vão ser adicionadas a esta peregrinação, como é o caso de Alcântara (em Espanha), o Barreiro ou o Seixal. A peregrinação vai acontecer ao longo de cerca de 300 quilómetros.

A viagem vai acontecer apenas ao fim-de-semana e a imagem vai ser transportada numa embarcação tradicional. A imagem da Nossa Senhora do Avieiros e do Tejo foi consagrada na Catedral de Santarém, pelo bispo de Santarém, e coroada em Vila Velha de Ródão, pelo bispo de Portalegre e Castelo Branco. Os populares juntam-se, tanto no rio como nas margens do mesmo, para compartilharem a sua devoção a esta imagem e a festa que está associada a este cruzeiro.

Noticias Relacionadas

A hora da Liberdade

Agora que estamos a poucas horas (mais precisamente sete) do dia em que comemoramos os cinquenta anos da Revolução dos Cravos está na altura de