Portugal e Espanha têm dois dos passaportes mais poderosos do mundo

Os documentos ibéricos permitem que se viaje um pouco por todo o mundo sem a necessidade de visto

Comparte el artículo:

Compartir en facebook
Compartir en twitter
Compartir en linkedin
Compartir en whatsapp
Compartir en telegram
Compartir en email

O Passport Index, ranking que avalia o poder dos passaportes na entrada em outros países sem precisar de visto, coloca Espanha e Portugal como duas das nações com os documentos mais valiosos. Se os países europeus permitem, no espaço Schengen, viajar livremente, outros restringem fortemente a circulação não só a circulação dos seus cidadãos como a entrada de turistas em território nacional.

Em primeiro lugar neste ranking encontramos a Alemanha e a Espanha, já que com o passaporte de um destes países é possível entrar em 159 locais sem visto num total de 195 (podem ser 206 consoante a organização que realizou esta contagem). Como forma de desempate, os cidadãos alemães conseguem entrar sem qualquer visto em 104 países, em Espanha são 103 os que abrem portas para quem chegue de Espanha.

Os Judeus Sefarditas, que viveram em território ibérico e como tal têm direito a pedir a nacionalidade destes países, acusam o governo espanhol de ter recusado os pedidos de nacionalidade de 3028 descendentes Sefarditas. Nos primeiros meses de 2021, Espanha emitiu 13.754 passaportes a judeus que foram expulsos do território ibérico devido a perseguição da Inquisição.

Qual é o poder do passaporte português?

Se em segundo lugar encontramos cinco países que permitem a livre circulação para 138 locais: Áustria, Suíça, Irlanda, Estados Unidos da América e Nova Zelândia, em terceiro lugar do ranking de passaportes mais poderosos do mundo temos o português. Com este documento, os portugueses podem viajar para 137 destinos. Por outro lado, os cidadãos lusos necessitam de vista para entrar e sair de 61 países.

Brasileiros netos de portugueses que tenham pedido a nacionalidade lusa antes de Julho de 2017 podem, através de uma mudança na lei (antes eram considerados naturalizados), conseguir o estatuto de português «nato» ou de origem. Com isto podem pedir o passaporte português que automaticamente é passado para filhos e netos, facilitando o trabalho ou estudo em outros territórios europeus.

No último lugar desta lista está o Afeganistão, cujo passaporte dá acesso a apenas 31 lugares.

Noticias Relacionadas