Portugueses enterrados no Valle de Los Caídos

Os cinco cidadãos lusos serão os únicos estrangeiros enterrados no monumento mandado construir por Franco

Comparte el artículo:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

O Valle de Los Caídos, monumento foi inaugurado em 1962 e relembra os 33 872 combatentes nacionalistas que caíram durante a Guerra Civil espanhola, tem pelo menos 5 cidadãos portugueses que foram transladados para a monumental cripta mandada construir, recorrendo a trabalhos forçados, por Franco. A descoberta dos portugueses naquela que é a maior vala comum em território europeu aconteceu após uma investigação levada a cabo pela correspondente da RTP em Espanha, Daniela Santiago, que analisou uma lista apresentada pela Universidade de Barcelona e onde se pode ver os nomes de todos os que foram transladados (20 anos depois da guerra) para este local onde alegadamente só deveriam estar espanhóis e de religião católica.

No Valle de Los Caídos não estão só militares franquistas mas também opositores e na lista apresentada podemos ver 5 nomes, mesmo espanholizados, de portugueses oriundos de Lisboa, Penedo de Extremadura, Angola e Viana do Castelo. Pelo menos dois destes nomes estiveram enterrados no cemitério de Bot, em Tarragona, onde estão militares franquistas. Oviedo e Cáceres são outros dois locais onde estiveram os portugueses antes de serem transladados para o Valle de Los Caídos.

Ainda não se sabe se as famílias destes homens sabem da sua presença no local nem o papel que os mesmos desempenharam nos anos da Guerra Civil onde para além de soldados lusos também participaram italianos, alemães e marroquinos. Com a aprovação pelo governo de Sánchez da Lei da Memória Democrática, algo que tal como a Lei da Memória Histórica divide os espanhóis, o Valle de Los Caídos passará a ser um cemitério civil.

A Guerra Civil espanhola aconteceu há 85 anos, provocou mais de meio milhão de mortos e tocou a vida de milhares de portugueses que alistaram-se para lutar em ambos os lados e que da forma como podiam ajudaram os vizinhos de fronteira. Em Barrancos, em 1936, a aldeia alentejana recebeu 300 refugiados espanhóis que ao contrário de outras regiões portuguesas não expulsaram os espanhóis que fugiam da guerra.

Espanha tem novos locais como património da humanidade

A última reunião da UNESCO tornou o Paseo del Prado e o Jardim do Buen Retiro nos dois novos locais em Espanha a receberem a designação de património da humanidade. Com esta inclusão, passam a ser 49 os bens inscritos na Lista do Património Mundial da UNESCO. No caso português são 17 os bens inscritos numa lista que é composta pelo Mosteiro dos Jerónimos e a Torre de Belém, o Mosteiro da Batalha e o Convento de Cristo.

Noticias Relacionadas

Deja un comentario