Con el patrocinio de:

Repsol apoia associações em Sines

Apoios de 61 mil euros para instituições do concelho que actuem no apoio social, desportivo e cultural

Comparte el artículo:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

A Repsol Polímeros assinou, junto da Câmara Municipal de Sines nos Paços Municipais, dois protocolos de cooperação (datados de 7 de Junho e 19 de Julho) relativos ao ano de 2021 e onde se compromete a ajudar 23 associações e instituições de apoio social, desportivo e cultural num valor que na sua totalidade ascende aos 61 mil euros.

A Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Sines (9000 €), Associação Caboverdiana de Sines e Santiago do Cacém (4000 €), Associação A Gralha (3000 €), Santa Casa da Misericórdia de Sines (3000 €), Associação Prosas (2000 €) e Cercisiago / Lar Residencial de Sines (2000 €), 4 Patas – Associação de Abrigo dos Animais de Sines (1000 €), a cooperativa LAS – Litoral Alentejano Solidário (500 €), o Vasco da Gama Atlético Clube (5000 €), a Academia de Ginástica de Sines (2000 €), o Andebol Clube de Sines (2000 €), a Associação Recreativa de Dança Sineense (2000 €), o Clube de Natação do Litoral Alentejano (2000 €), o Ginásio Clube de Sines (2000 €), o Hóquei Clube Vasco da Gama (2000 €), a Independentes Futsal Associação (2000 €), o Sines Surf Clube (1000 €), a Associação Pro Artes de Sines (8000 €), a Contra Regra / Teatro do Mar (5000 €), a Associação Arte Velha (1000 €), a Associação de Carnaval de Sines (1000 €), a SMURSS (1000 €) e a Skalabá Tuka – Associação Artística (500 €) são os 23 organismos que vão ser apoiados pela Repsol Polímeros no âmbito da política de responsabilidade social que a empresa espanhola (que recentemente anunciou um novo investimento em Sines) tem.

Como já informamos, a Repsol vai investir 725 milhões de euros no Complexo Industrial de Sines aproveitando incentivos fiscais apresentados pelo governo de Portugal e que podem ir até aos 63 milhões de euros. Este investimento feito com capitais estrangeiros, considerado como o maior da última década e que pode contribuir para a descarbonização da economia portuguesa e o aumento da balança comercial, deverá arrancar ainda este ano.

Noticias Relacionadas

Deja un comentario