Espanhol Português

As equipas técnicas da Eurocidade do Guadiana, compostas por funcionários da Câmara Municipal de Ayamonte e das câmaras municipais de Castro Marim e Vila Real de Santo António, continuam a sua atividade de trabalho e reuniões, apesar de, a partir de meados desta semana, estarem fechou as fronteiras entre os dois países. Os trabalhadores da Eurocidade baseiam-se na sua experiência em projetos transnacionais para poderem seguir um ritmo de trabalho semelhante ao habitual.

A Eurocidade do Guadiana, constituída como Grupo Europeu de Cooperação Territorial, é um órgão com personalidade jurídica que desenvolve vários projetos para melhorar o território e participa em várias redes europeias, o que facilita os seus técnicos estão familiarizados com múltiplas tecnologias e ferramentas para a coordenação de equipas humanas cujas tarefas e fluxos de trabalho são geridos sem a presença física do coordenador ou trabalhador.

O ritmo em circunstâncias normais dos técnicos da Eurocitdade é o desenvolvimento da sua atividade espalhada pelas unidades de três municípios de dois países, há uma reunião semanal de coordenação presencial de toda a equipa e múltiplas reuniões paralelo cara a cara para tópicos específicos. Conversas, ferramentas colaborativas, grupos de whatsapp e videoconferências são ferramentas com as quais a Eurocidade era familiar antes da crise do coronavírus.

A Eurocidade do Guadiana tem atualmente como principal projeto o Euro-Guadiana 2020, cofinanciado pela União Europeia através do programa de Cooperação Transfronteiriça Portugal Espanha e que tem um orçamento superior a um milhão de euros para colocar a base para que o território destes três municípios sirva de laboratório para a implementação de medidas de governação em territórios transfronteiriços. Participa também em outros seis projetos com menor custo económico.

Na situação atual, a equipa técnica realiza uma reunião de todos os funcionários todas as manhãs e a agenda está a ser planeada e com os restantes técnicos dos municípios envolvidos no desenvolvimento de atividades na medida em que possam tentar manter o ritmo a que os projetos foram planeados com a única perturbação das atividades que envolvem deslocamento ou concentração de pessoas.

O diretor executivo da Eurocidade, Luis Romao, sublinhou que “esta situação tem apanhado as administrações de surpresa quando se trata de ter recursos para o teletrabalho e para manter as equipas ligadas, e não temos conhecimento até agora. temos uma estrutura de comunicação interna comprovada e consolidada que é agora quando estamos cientes do valor importante que tem”.