Jornalistas de cinco países ibero-americanos ganham os Prémios Rei de Espanha

O brasileiro Gustavo Marcelo Costa e a portuguesa Sofia de Palma Rodrigues foram premiados

Comparte el artículo:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Jornalistas e meios de comunicação da Colômbia, Brasil, Bolívia, Portugal e Espanha foram galardoados esta sexta-feira com os Prémios Internacionais de Jornalismo Rei de Espanha, que reconhecem o trabalho dos repórteres ibero-americanos. Os prémios, outorgados pela Agência EFE e a Agência espanhola de Cooperação Internacional para o Desenvolvimento (AECID), galardoaram nesta XXXVII edição trabalhos centrados nos direitos humanos, nas migrações, nos femicídios, na crise climática ou na diversidade sexual.

O boliviano Luis Fernando Soria Sejas (Imprensa), os colombianos Ricardo Calderón Villegas (Jornalismo iberoamericano), Linda Carolay Morais (Rádio) e Manuel Salvador Saldarriaga (Fotografia), o brasileiro Gustavo Marcelo Costa (Televisão) foram alguns dos premiados. A lista fica completa com os espanhóis Miriam Hernanz (Jornalismo Digital) e César Vallejo de Castro (Cultural e Desenvolvimento Social, uma nova categoria), e a portuguesa Sofia de Palma Rodrigues (Jornalismo Ambiental e Desenvolvimento sustentável).

A jornalista lusa, em declarações à EFE, depois de receber as notícias do prêmio, explicou que o trabalho, intitulado “Terra de todos, terra de somes” foi preparado não apenas por ela, mas por um grupo de profissionais que passaram um mês no norte de Moçambique coletando testemunhos orais. O objetivo do premiado trabalho jornalístico multimídia, insistiu, é dar visibilidade ao fato de que empresas de todo o mundo colonizam terras férteis com mão-de-obra barata.

Além disso, a revista digital 5W ganhou o prémio de Meio de Comunicação destacado da Iberoamérica e a espanhola Mar Abad García obteve o XVI Prémio de Jornalismo Dom Quixote, que reconhece a qualidade linguística e o bom uso e enriquecimento do idioma espanhol. Esta edição faz ainda uma menção honorífica ao 80º aniversário da Agência EFE, que recaiu no arquivo da própria Agência.

O rei de Espanha vai entregar os galardões aos vencedores das dez categorias numa cerimónia marcada para o próximo dia 23 de março em Madrid. Candidataram-se a esta edição um total de 206 trabalhos de 17 países num número recorde de dez categorias, e pela primeira vez receberam-se candidaturas da Guiné Equatorial.

O brasileiro Gustavo Marcelo Costa e a sua equipa foram premiados na categoria de Televisão pela obra “A Besta”, documentário sobre imigração ilegal na América Central transmitido pela Record TV em julho de 2019.

Noticias Relacionadas

Como chegámos a uma «Tempestade Perfeita»?

O que é uma «Tempestade Perfeita»? Normalmente quando utilizamos esta expressão estamos a descrever um fenómeno meteorológico que foi criado graças a confluência de vários

Deixe um comentário