Espanhol Português

O TRAPÉZIO está a acompanhar as reações à proposta lançada pelo presidente da Câmara Municipal do Porto, Rui Moreira. Entre as diferentes adesões em Espanha, encontramos o secretário da Organização Provincial da Juventude do PSOE de Zamora e coordenador provincial da Juventude pelo Clima, Daniel Ratón.

O Secretário de Organização fala-nos da iniciativa de estabelecimento de uma estratégia partilhada entre Espanha e Portugal, seguindo o modelo do Benelux.

 

Apresentou a proposta IBEROLUX nos Vermús Intergeracionais convocados pela Juventude PSOE em Zamora, o que é exatamente esta proposta?

A ideia iberista não é nova, tem sido repetida por mais de dois séculos. Não somos os primeiros nem os últimos a pedir. Enquanto Juventude Provincial, não temos a força absoluta para exigir tal união, mas acreditamos que seria totalmente benéfico no caminho da União Europeia.

Áreas como Espanha e Portugal que partilham desde o início uma cultura e história comuns.

Perante as tendências nacionalistas de certos grupos políticos, tanto de um lado da fronteira como do outro e além dela, como é o caso do BREXIT, propomos uma união, que não significa a subordinação de Portugal a Espanha, mas a união entre os dois numa república federal.

 

Coincide com as declarações de Rui Moreira, presidente da Câmara Municipal do Porto?

Sem dúvida. Estamos de acordo em todas as áreas mencionadas por Moreira, como a necessidade de melhorar os transportes, a educação, os cuidados de saúde, etc. Embora as nossas sensibilidades políticas não sejam idênticas, neste caso são.

 

Que diferenças existiriam entre a IBEROLUX e os atuais pactos europeus, como a união monetária ou o espaço Schengen?

Seria a união de serviços que vai muito além dos acordos aduaneiros ou monetários. A inspiração faz parte do BENELUX, da União da Bélgica, dos Países Baixos e do Luxemburgo. Consistiria na promoção de instituições comuns entre Espanha e Portugal, no caso do Benelux, que dispõe de um Parlamento representado por 21 parlamentares holandeses, 21 belgas e 7 luxemburgueses. No nosso caso, poderíamos utilizar um modelo semelhante que procura, se não uma legislação comum que pode ser demasiado precipitada para hoje, sim obter recomendações comuns, combinando educação, saúde, transportes, combate às alterações climáticas, Etc.

Para dar um exemplo, Zamora, a província que represento, tem graves problemas de saúde, uma vez que o PP segue a política de encerramento de consultórios médicos. A última ideia é que a SACYL (Serviço de Saúde de Castilla y León) ofereça cursos de primeiros socorros a pessoas das aldeias para que possam encerrar ainda mais consultas médicas.

É claro que entendemos que não é possível manter todos os centros abertos, mas uma saúde comum entre Espanha e Portugal seria um grande passo em frente para ambos os países. Isto melhoraria a eficácia da localização dos consultórios médicos, tanto portugueses como espanhóis.

O mesmo aconteceria com a educação. Seria benéfico incentivar os encontros de jovens de ambos os países e o bilinguismo, o que se mostra positivo para todos. Isto, em geral, fariamos diferença com a União Europeia.

 

Em que quadro político caberia esta união?

Da província de Zamora, consideramos que uma república federal seria positiva. Nascemos como uma organização profundamente republicana. Acreditamos que Portugal foi um longo caminho quando se tornou uma república, o que não fizemos no final da ditadura de Franco.

No fundo, a nossa ideia é a de uma união federal descentralizada, mesmo atingindo o nível da confederação, uma vez que a Espanha é apenas o termo vinculativo que une um número de nações históricas, legalmente reconhecidas sob uma identidade comum, não seria muito diferente da IBÉRIA que está a ser proposta.

Poderia pegar o modelo sul-africano ou boliviano, com três capitais, mantendo o poder legislativo em Madrid, o executivo de Lisboa e o poder judicial em Barcelona, desta forma todos os territórios históricos beneficiariam.

 

Está a planear passar esta ideia para a liderança do seu partido?

É certamente um facto que contemplamos. Desde o início que o PSOE tem mantido boas relações com a PSP e nesta linha sempre houve colaboração, mas somos independentes a este respeito.

 

A Raia certamente seria beneficiaria, é uma solução para a área?

Sem dúvida que sim. Não defendemos isto apenas para Zamora ou para a area raiana, mas como uma solução comum para problemas comuns como o despovoamento. Em Espanha tendemos a ser muito centristas e, por vezes, não nos apercebemos de que do outro lado da fronteira existem os mesmos problemas. Portugal realizou o projeto Aldeias Históricas, que poderia ser replicado no nosso país. Isto exigiria uma frente comum do distrito de Bragança e Zamora no nosso caso. Uma proposta que seria interessante para a região seria a criação de duas universidades autónomas, uma em Bragança e outra em Zamora, partilhada entre os dois países, o que significaria que não iriam depender de nenhuma outra instituição, certamente ajudaria na fixação, tanto na zona de Bragança como no Zamorana. Nos últimos 20 anos, a nossa província perdeu 14,2 em termos de população. Em 1860 Zamora ultrapassou a Biscaia, os números não mentirem.

 

Mantém contacto com o PSP de Trás-os-Montes? Conhecem o movimento iberist?

Sim, mantemos contacto. A última ação conjunta que realizámos foi de alguns dias que se revelou muito benéfica, estamos ansiosos por repeti-las e deixo-as como declaração de intenção aos socialistas de Trás-os-Montes.

O movimento iberista é conhecido por mim e pelos meus pares. É um magnífico guia de ação, uma vez que “a união faz força”.

Finalmente, Daniel Raton quer enviar uma mensagem de unidade para os espanhóis e portugueses, nenhum dos dois países é melhor do que o outro, somos nações que fazem parte de uma ideia comum que é melhorar a humanidade. Se aspirarmos a um bom governo, aspiramos a uma união de governos.