Espanhol Português

O TRAPÉZIO está a aproximar-se de uma realidade que, neste momento, pode ser desconhecida da grande maioria dos cidadãos espanhóis e portugueses:a mineração ao longo da Raia.

Olhamos para este novo desafio através de várias plataformas cidadãs, cada uma criada por e para a defesa do “território abandonado, não esvaziado”,como se destacam.

“Há uma grande diferença entre uma área que está abandonada e uma que está vazia. A nossa terra não está vazia, mas abandonada, a linguagem é importante quando se trata de definir corretamente circunstâncias”, diz Ana Morillo, presidente da plataforma OS VIRIATOS,sediada em Zamora.

Marcos Alonso Alonso, porta-voz das associações TERRA SOS-TENIBLEe NÃO NA MINHA TERRA, abre os olhos a uma realidade que está longe da sustentabilidade vendida pelos lobbies de energias “mal chamadas renováveis”.

Começa por nos fazer uma relação com o que se passa na Raia: “As perspetivas estão a proliferar, a níveis inimagináveis, a abrir projetos de mineração, da Extremadura à Galiza, não só em território espanhol, mas também em português, que poderíamos chamá-los de ofensivo para o território cujo único propósito é possuir os recursos, especialmente a água.

A desculpa que usam para a extração de minerais estratégicos como o lítio, o wolframium e até o urânio são as alterações climáticas, quando a realidade sugere que são necessárias sobretudo para as chamadas novas tecnologias, robótica e telefonia.

Sendo o território despovoado de “uma forma conveniente”, o que nos leva a um êxodo programado, uma vez que, como Churchill muito bem apontou “nada na política acontece por acaso”, A Raia, além de ser abundante nestes minerais, está despovoada com o que é encontrar oposição escassa.

A Espanha ainda é governada pela Lei das Minas do tempo de Francisco Franco que só foi concebida para explorar o território.

Neste momento, o mantra é que o petróleo é altamente poluente, mudamos de estratégia e realizamos a mineração a céu aberto, muito destrutiva, dezenas de milhares de hectares são expropriados, eles poluem todos os aquíferos, deixam enormes jangadas de resíduos, cáustico, etc. A poluição não é retirada, os projetos estão preparados para as empresas canadianas e chinesas. São recursos para os explorar lá fora, aqui só temos o buraco e a destruição do ambiente.

Um exemplo é com o lítio, deve ser extraído e assado com erro cáustico, tarefa que aqui é realizada, com a consequente poluição do ar, da água, da fauna, da natureza como um todo. Uma vez executada esta tarefa, é depois transportada para os diferentes portos para distribuição.

Querem trazer para a Península o pior da América do Sul, uma vez que esvaziaram o território dos seus habitantes para obter os recursos.

Dão muito pouco tempo para fazer alegações, ou seja, caso os habitantes do município tenham aprendido. Um exemplo claro disso é Alconchel, na Extremadura, uma vez que diferentes administrações e gestão de minas estão a trabalhar para as diferentes corporações, neste enclave que tomaram conhecimento da existência da mina no ano passado, quando têm vindo a fazer gestão. desde 2011.

As autorizações estão a ser concedidas às empresas de exposição, como a Fermoselle tem estado com a mina de lítio, que vão de mão em mão com as quais, no final, o último destinatário da mina não é conhecido.

À medida que a informação chega a diferentes enclaves, as plataformas anti-mineração começam a proliferar. Civis porque os ambientalistas também não enfrentam este problema.

Quanto ao desenvolvimento da área, que muitos podem argumentar, basta dizer que a realidade está a ser sentida na Ibero-américa.

Quando a mineração vem as pessoas desaparecerem, precisam de enormes quantidades de água, a empresa monitoriza todos os pontos de água privados e públicos, eles contam, por sua vez, o necessário para o consumo humano, para que em muito pouco espaço não haja água ou para a agricultura, não para as pessoas.

É um modo de mineração que destrói o ecossistema, é incompatível com a agricultura, a pecuária e o consumo humano.

Para eles agora é o tempo, eles têm a área com uma densidade populacional imensamente baixa e esperam muito pouca resistência.

Tudo isto é o FARSA DE LA ESCASSEZ,se realmente há tanta escassez de recursos, minerais, água, etc. Por que não são púbicos? Por que os privatizam? É a farsa da ESCASSEZ para nós pagarmos o que eles querem.

Queremos conhecer com aqueles com quem os políticos estão a trabalhar, com empresas privadas ou públicas.

Com corporações? Onde estão as pessoas?

Após uma reunião com o presidente da “Diputación” de Zamora, Francisco Requejo, Marcos Alonso está moderadamente otimista:

“Esta província está acabada se não se mover um pouco, parece que a vontade do presidente da “Diputación” é tomar medidas. Eles estão a começar a mover-se, se estivermos delimitados como uma área despovoada, podemos procurar fundos na Europa, mas temos de lhes dar a informação já que, neste momento, o que sabem está a nível provincial, a média e com as cidades, em autonomia, com alta densidade. população como Valladolid ou Burgos, não entramos nos parâmetros, eles devem ser tomados a nível regional, nós somos das províncias que somos piores em todo o país”.

Beatriz Recio Pérez