Ano europeu do comboio em Portugal

Comparte el artículo:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Este ano de 2021 foi declarado como o Ano Europeu do Comboio pelo Parlamento e a Comissão Europeia, coincidindo com o facto de Portugal ocupar este semestre a Presidência rotativa da UE, foram divulgadas boas notícias sobre os caminhos-de-ferro em Portugal. Longe está aquela Cimeira Ibérica de Novembro de 2003, em que Aznar e Durão Barroso assinaram um acordo para que fossem feitas quatro ligações ferroviárias entre os dois países. Isto foi levado a Europa e em Março de 2004 aderiram à Rede Transeuropeia de Transportes (RTE-T) no prazo de 30 projectos prioritários (30PPs). Os dois países obtiveram financiamento europeu para executá-los e parte das obras foi iniciada. A crise e outras razões agora irrelevantes travaram ou abrandaram as obras e neste momento estamos praticamente numa situação de ligações ferroviárias entre os dois países pior do que há vinte anos. Mas parece que iniciamos a nova década com grandes esperanças de mudança para que esta seja uma verdadeira década de transformação das ligações ibéricas.

Em Fevereiro de 2016, o Governo de Portugal lançou o programa de investimentos Ferrovia 2020, no âmbito do quadro financeiro europeu plurianual 2014-2020, que, como sabemos, estende-se até 2023 e no qual estão planeados os investimentos mais necessários e urgentes que agora iniciamos e que os resultados podem ser vistos nos próximos três anos. Coincidindo com a melhoria económica em Portugal e na preparação do seguinte quadro financeiro plurianual europeu 2021-2027, procedeu-se a um sereno processo de reflexão e debate que permitiu a aprovação de um detalhado Programa Nacional de Investimento 2030 (PNI2030), no qual se enquadram as necessidades e prioridades que foram colectadas em investimentos para esta nova década. Este processo tem facilitado que o relatório do Professor António Costa Silva sobre a “Visão Estratégica para o Plano de Recuperação Económica e Social de Portugal 2020-2030” e o “Plano de Recuperação e Resiliência” (PRR) já tenha sido submetido a consulta pública e apresentada a Europa para que seja nível de financiamento com fundos da próxima geração da UE. Não é o resultado de improvisação e da pressão dos prazos. Agora o desafio está na capacidade de execução administrativa e técnica.

Na conexão ferroviária Norte com a Galiza (Valença do Minho – Tui) finalizaram as obras de electrificação das vias e começa a ver-se as primeiras locomotoras eléctricas e em breve a conexão entre a Corunha e Lisboa pode estar totalmente electrificada. Alguns ministros portugueses provocaram um falso debate defendendo esta conexão como a única de interesse para Portugal de alta velocidade com Espanha, prolongando a conexão Lisboa – Porto, para o PNI 2030 estão contemplados 4.500 milhões de euros, o maior investimento da história da ferrovia em Portugal. Esta ligação teria de ser incorporada no Corredor Atlântico RTE-T na sua próxima revisão, como já foi feito na parte espanhola até Vigo.

A ligação oriental com Castela-Leão (Vilar Formoso – Fuentes de Oñoro), que é actualmente o braço norte do Corredor Atlântico e a via natural de ligação entre a zona do Porto e a Europa Central, este verão vai ter o seu último troço, entre Salamanca e a fronteira, electrificado. A ligação Lisboa / Porto e Madrid passa a ser totalmente eléctrica ou descarbonizada. Esperançosamente, o serviço que foi cancelado devido à pandemia será reactivado em breve. No âmbito do programa Ferrovia 2020, está a ser modernizada a Linha da Beira Alta entre a Pampilhosa e a Guarda e deverá ficar concluída em 2023. Anteriormente, foram concluídas as obras de modernização da Linha da Beira Baixa entre Covilhã e Guarda, o que permitirá um traçado alternativo no caso de cortes de serviço devido a obras na Beira Alta. O PNI 2030 contempla uma nova ligação de Aveiro a Viseu e para o qual se estima um investimento de cerca de 600 milhões de euros.

A conexão directa de Lisboa/Sines com Madrid e o Corredor Mediterrânico (por Elvas- Badajoz), que na actualidade está contemplada como o ramal sul do Corredor Atlântico, sendo a coluna vertebral do Corredor Sudoeste Ibérico e que está concebida como uma linha de alta velocidade mista de passageiros e mercadorias. Com estas características está a ser executada e financiada pela UE. Actualmente, e a partir dos planos portugueses, está a ser executada para a alta velocidade a ligação entre Évora e Elvas, estando esta subdividida em quatro troços, três deles já em execução, sendo que o mais pequeno, que afecta a zona urbana de Évora, foi adjudicado no dia 18 de Fevereiro a um consórcio de empresas portuguesas liderado pela Teixeira Duarte e a Mota-Engil. Prevemos que em 2023 esteja concluido o denominado Corredor Internacional do Sul, ligando Lisboa / Sines a Caia através de Évora. Esperamos vê-lo em operação em 2024. A UE tem insistido que a rota completa deve ser concluída antes de 2030, com características de alta velocidade, conforme estabelecido na RTE-T. No PNI 2030 estão previstas novas acções entre Évora e Lisboa e uma nova travessia do Tejo, mas tudo sugere que até que seja decidida a localização definitiva do novo aeroporto de Lisboa, a rota definitiva não será conhecida. O PNI 2030 contempla também a ligação ferroviária com Beja, uma acção que pode ser acelerada se o aeroporto de Beja for reforçado e este foi considerado, pelo menos durante alguns anos, como o segundo aeroporto de Lisboa. É seguramente a alternativa mais rápida e económica, com efeitos acrescidos para o desenvolvimento interior do Sul e apoiando o Algarve, bem como facilitando a conclusão da alta velocidade com Lisboa.

A curto prazo, poderia ser neste mesmo ano de 2021, a conexão ferroviária mais eficaz e eficiente entre Lisboa e Madrid deveria ser a histórica Linha de Leste, que foi a primeira conexão, ainda no século XIX. Esta linha é cada vez mais usada no tráfego de mercadorias e, recentemente, realizaram-se obras nas estações Torre das Vergens e no Crato para permitir a travessia e o estacionamento de comboios até 750 metros. Nesta linha, entre Abrantes e Elvas, o PNI 2030 contempla a sua electrificação e novos sistemas de segurança, bem como uma nova estação em Portalegre. Na última campanha eleitoral, o Partido Socialista, vencedor das eleições e actualmente no governo, contemplou a electrificação nesta legislatura, o que seria conveniente acelerar com os fundos da UE que fazem parte do programa da Próxima Geração e conseguir que no ano 2023/24 pudesse haver uma ligação electrificada e descarbonizada entre Lisboa / Sines e Corredor Madrid / Mediterrâneo, coordenando acções com Espanha para que a electrificação entre Mérida e Puertollano fosse concluída nesta data, em execução e o seu financiamento também previsto através destes fundos. Esta linha de ligação poderá estar à frente do Corredor Atlântico oficial, que dificilmente estará totalmente concluído antes de 2025. Se este ano de 2021 entrasse em funcionamento um serviço directo Lisboa-Madrid via Elvas-Badajoz, permitiria que os tempos melhorassem a cada ano assim como foram incorporando melhorias e novas obras até à conclusão definitiva de toda a viagem, como tem sido feito com a ligação de alta velocidade com a Galiza.

Por último, a ligação Sul através de Vila Real de Santo António – Ayamonte é a mais demorada e com maiores incertezas. É muito importante que a ligação Lisboa-Faro-Huelva seja também incorporada no Corredor Atlântico na próxima revisão, visto que o prolongamento para Huelva e do seu porto com as Ilhas Canárias já estava incorporado em 2019. Esta incorporação, juntamente com a de Porto-Vigo em Portugal e os troços Sevilha – Salamanca e Mérida -Puertollano em Espanha, configuraria uma rede no Oeste Ibérico que permitiria uma melhor optimização dos recursos logísticos.

O proclamado Ano Europeu da Ferrovia e que começa com a presidência portuguesa da UE poderá não ser o ano em que celebremos a finalização das infra-estruturas significativas ou o grande salto das conexões ibéricas mas deverá ser o ano de partida para uma década que deve ser a de maior transformação das ligações ibéricas. Criar confrontos territoriais ou alternativas incompatíveis pode ter benefícios políticos, mas para a sociedade como um todo são estéreis e muito prejudiciais. Ainda há um longo caminho a percorrer e muito trabalho a ser feito, mas o desafio é emocionante e tem consequências e benefícios ilimitados. Vale a pena trabalhar para fazer as coisas acontecerem.

Noticias Relacionadas

Como chegámos a uma «Tempestade Perfeita»?

O que é uma «Tempestade Perfeita»? Normalmente quando utilizamos esta expressão estamos a descrever um fenómeno meteorológico que foi criado graças a confluência de vários

Deixe um comentário