Espanhol Português

Os nossos povoados estão esvaziados, as árvores, os riachos, rochas, montanhas e musgo verde cantam canções solitárias e lamentosas.

Há muito que as suas ruas não recordam o riso das crianças, as suas brincadeiras e travessuras. Já se passaram muitos anos desde que os seus passos não iluminam com o seu tamborilar as calçadas das ruas.

Tristes são as praças e os jardins, as escolas, as carteiras e o giz nos quadros de louça.

Regiões inteiras perdem as cores dos quadradinhos dos bebés quando eles eram pequeninos e felizes.

As casas dos professores, outrora abrigos de livros e alegrias, hoje permanecem silenciosas, solitárias, acompanhadas apenas pela tecelagem das laboriosas aranhas, escondida nos cantos, à espera da sua presa.

Fachadas de tijolo vermelho ou de pedra, as suas chaminés, lugares onde se torrava o milho que se comia com verdadeiro prazer, hoje há silêncio, órfãos da madeira, cinzas e brasas vermelhas.

Ouço as reclamações das cidades, o empenho dos presidentes da câmara ao incentivar uma luta contra gigantes, contra uma vida que dá as costas à natureza, às origens, ao património dos nossos pais e avós.

Aliste, município cheio de encanto, de natureza, de símbolos dos nossos antepassados. Com um património que tem um acervo esplêndido, da natureza mais selvagem encarnada na Sierra de la Culebra a heranças históricas como grupos de rock, marcos, estelas romanas e celtas, fortes, contemplando com saudade os esforços do autarca de San Vitero para encher as suas ruas de alegria, de jogos infantis, de futuro.

Vanesa Mezquita não desiste dos seus esforços. É uma lutadora até a exaustão que oferece incentivos a todas as crianças matriculadas na sua região.

As escolas de San Vitero e San Juan del Rebollar tratam de manter a proporção dos últimos anos, um mínimo necessário para não desaparecer.

Quinze criaturas povoam as suas salas de aula, nove em San VItero, seis em San Juan.

São oferecidas ajudas, cerca de 200 euros por aluno. O esforço da Câmara Municipal é titânico, dado o orçamento insuficiente de que dispõem.

“Qualquer coisa para não ter que fechar”, lamenta Vanesa.

Quinze crianças, quinze, entre os cinco anexos de San Vitero e que é incluído com San Juan, El Poyo, San Cristóbal e Villarino. O censo total não chega a quinhentos habitantes. No próximo ano, eles esperam aumentar o valor por aluno.

Autarquia fronteiriça, raiana, de uma beleza única, um lugar perfeito para a educação nos valores da liberdade, comunhão com a natureza, com os nossos antepassados, com os costumes mais valiosos, aqueles que nos dão identidade de gente, aqueles que nos libertam, aqueles que nos deixam voar montados nas asas dos pássaros. Perdemos o cheiro a esteva e tomilho, o que nos dão a felicidade de colocar os pés no rio e aquecer as mãos no fogo.

A vida é a estrada, curta demais para perdê-la entre o asfalto e as quatro paredes de qualquer cidade.

Vamos dar uma nova oportunidade de sermos felizes, de voltar ao riacho, ao fosso, à sombra da árvore, a uma humanidade que se perde e morre entre os ansiolíticos e os antidepressivos. Vamos conceder um futuro aos nossos povos, eles saberão agradecê-lo dando-nos as ferramentas para formarmos seres humanos saudáveis ​​e equilibrados. Sem dúvida algo que hoje é um valor muito, muito escasso.

(O prazo para os interessados ​​em matricular os seus filhos nas escolas de San Vitero e San Juan, as inscrições abrem a 8 de Março e terminam no dia 5 de Abril. Das 15:30 às 19:00 às segundas-feiras e das 08:00 às 15:00 de terça a quinta-feira)

Beatriz Recio Pérez