Espanhol Português

As medidas de contenção e isolamento social provocadas pela propagação do Covid-19 na Europa está a provocar uma quebra generalizada nas economias europeias e americana. Segundo um estudo da Euler Hermes, líder mundial no seguro de créditos, esta paragem no comércio internacional pode fazer com que se perca cerca de 700 mil milhões de euros, isto caso esta situação de lockdown generalizado continue nos próximos três meses. Cada mês destas medidas pode levar a um impacto de 20 a 30% no PIB.

Na Europa, prevê-se um cenário de forte recessão. Em Itália, o segundo país até agora mais afectado pela pandemia, o crescimento ficará nos -3,5%. Esta desaceleração no “velho continente” já estava prevista mas o número de casos está a colocar várias empresas sob uma grande pressão e regimes como o lay-off estão a ser adoptados para tentar precaver os empregos. Em Portugal, 400 mil trabalhadores, os mesmos que estavam inscritos nos centros de emprego, estão neste regime. Em Espanha: 3 milhões de trabalhadores.

 Que futuro para as empresas?

A análise da Euler Hermes aponta para um aumento de 14% das insolvências em todo o mundo durante o ano de 2020 (16% na Europa ocidental). Mesmo com várias medidas a serem tomadas para proteger-se empresas e trabalhadores, como é o caso do adiantamento do pagamento de impostos ou empréstimos com garantias estatais, prevê-se a falência de cerca de 7% das PME, que são responsáveis por 13 mil negócios. 10% do total de empresas em risco estão em França, perto de 9% na Alemanha, 8% na Bélgica, 6% em Espanha e 5% em Itália. As insolvências vão aumentar principalmente em Itália (+ 18%), Espanha (+ 17%) e  na Holanda (+ 21%). Os sectores que correm maior risco são o da construção, agro-alimentar e o dos serviços.

Mas nem tudo são más notícias. Mesmo com 65 milhões de empregos em risco, os economistas acreditam que haja uma recuperação no segundo semestre de 2020. Esta recuperação “rápida” não vai ser aplicada a todos os sectores, sendo os do retalho e turismo aqueles que mais vão sentir a queda económica.