Governos de Portugal e Espanha vão candidatar documentos da viagem de Magalhães à memória da UNESCO

Carta do achamento do Brasil é um dos documentos que Portugal já viu a UNESCO anexar à lista do programa criado em 1992

Comparte el artículo:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

O governo português anunciou que vai apresentar em conjunto com Espanha os documentos que relataram a viagem de Magalhães e Elcano à distinção memória da UNESCO. Segundo o ministro dos negócios estrangeiros, Augusto Santos Silva, a candidatura luso-espanhola vai seguir para apreciação até ao fim do mês.

Destes documentos singulares fazem parte o Diário de Pigafetta (cronista oficial desta expedição) ou um relato indireto feito pelo português Fernando de Oliveira. Estes são apenas 2 dos 13 registos escritos que fazem parte dos arquivos nacionais de Portugal e Espanha. Estes documentos permitem compreender a importância da primeira viagem de circum-navegação. Iniciada por Fernão de Magalhães em 1519 e terminada por Sebastian Elcano já em 1522, esta epopeia ajudou a comprovar que a terra é redonda e, ao lado dos Descobrimentos, iniciou a globalização.

«Esperamos que os outros 112 países percorridos pela viagem de circum-navegação se associem. Certamente que apoiarão esta candidatura», referiu Augusto Santos Silva aos jornalistas. Um dos registos que faz parte desta candidatura é uma carta que o rei de Espanha dirige ao rei português. Com esta missiva pretendia explicar que o financiamento que deu a uma viagem às Molucas não significava nenhuma tentativa de prejudicar os interesses que a coroa portuguesa tinha na região. Segundo o Tratado de Tordesilhas, a parte oriental do mundo tinha ficado entregue a exploração e ao comércio dos portugueses.

Memórias Ibéricas na UNESCO

Portugal tem inscrito no registo da memória da UNESCO a carta do achamento do Brasil, da autoria de Pedro Vaz de Caminha; o Tratado de Tordesilhas ou o relatório da primeira Travessia Aérea do Atlântico Sul (que no próximo ano vai comemorar o seu centenário). O Codex Calixtinus da Catedral de Santiago de Compostela e cópias medievais do Liber Sancti Iacobi: As origens ibéricas da tradição Jacobeia na Europa são outros documentos provenientes da Península Ibérica que são vistos como de extrema importância para a proteção da nossa memória coletiva. Este programa foi criado em 1992.

Noticias Relacionadas