Cabo submarino que liga a Europa e a América Latina reforça a interconexão entre os continentes

Estudo avança que os ganhos do PIB português com os cabos submarinos podem chegar aos 500 milhões

Comparte el artículo:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Os cabos submarinos, que estão instalados no território português desde 1855, têm servido como autênticas auto-estradas que têm ligado o país às mais diversas latitudes. A presença destes cabos em Portugal há vários séculos demonstra a importância geográfica que o país tem tanto como porta de entrada na Europa como elo de ligação com África e a América.

Os mais recentes cabos, o Equiano e o EllaLink, vão ajudar a impulsionar os negócios de Portugal tanto com a América Latina como com o continente africano. Um estudo encomendado pela Google (o gigante tecnológico financia o cabo Equiano) indica que estes dois novos cabos podem trazer, por ano, ganhos de 500 milhões ao PIB luso. Para além da importância económica, os governantes reforçam a importância que os mesmos terão para a transição digital e a ambicionada recuperação discutida durante a reunião informal do Eurogrupo em Lisboa.

Este novo investimento, que não se fica só pelos cabos já que também engloba data centers (como é o caso do que foi anunciado para Sines), vai permitir que as empresas que têm negócios com o continente africano aumentem as suas trocas comerciais com uma maior conexão entre o mercado europeu e o africano. O cabo Equiano vai começar a operar em 2022 e liga Portugal a África do Sul.

Já o cabo EllaLink, que trabalha com fibra óptica (o que vai reforçar as novas formas de educação e de cuidados de saúde), liga Portugal ao Brasil. A chegada do EllaLink a Sines reforça, segundo o primeiro-ministro António Costa, «a função histórica de Portugal como uma plataforma de articulação entre os diferentes continentes e povos». Este cabo, que já foi inaugurado, é considerado pela Presidência portuguesa como «uma infraestrutura essencial para a interconexão digital e a transmissão de dados entre os dois continentes».

A inauguração deste cabo coincidiu com a apresentação da «Declaração de Lisboa – Democracia Digital com Propósito», um marco que estabelece os princípios éticos para um desenvolvimento digital, económico e social centrada nas pessoas. Numa mensagem gravada, o secretário-geral da ONU, António Guterres, alertou que a exclusão digital está a tornar-se «a nova face da desigualdade».

Noticias Relacionadas

Deja un comentario