Mundo aquece e António Guterres alerta para a possibilidade de catástrofe climática

Relatório sobre Mudanças Climáticas faz soar os alarmes e o secretário-geral da ONU pede um maior empenho

Comparte el artículo:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Um relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC em inglês) alertou que em 2030 o mundo esteja 1,5 graus mais quente, valor que vai ser alcançado 10 anos antes que o previsto. Em 2100, com o actual ritmo de emissões, o mundo poderá estar 2,7 graus mais quente.

Este aquecimento, que acontece num mundo onde os extremos são cada vez mais frequentes, é «um alerta vermelho» para o secretário-geral da ONU, António Guterres, que, num comunicado, alertou para o perigo das energias fósseis e pediu que que depois deste ano não seja construída mais nenhuma central de carvão pois esta é a única forma de podermos ainda ambicionar voltar a alcançar os valores de temperatura que o mundo registou na era pré-industrial. Se tudo continuar como está, o sul de Portugal poderá ficar com um clima semelhante ao de Marrocos.

A desflorestação, com Atenas a ter perdido o seu último pulmão verde e com a Amazónia a ter 8.712 quilómetros quadrados de área abatida entre Agosto de 2020 e Julho de 2021, é um dos motivos apresentados por António Guterres para o mundo estar a sufocar com temperaturas cada vez mais elevadas. O cenário é cada vez mais grave com a notícia de que na última terça-feira derreteu na Gronelândia uma quantidade de gelo suficiente (8,5 mil milhões de toneladas de massa) que dava para cobrir a totalidade do território português com mais de 9 centímetros de água.

Aposta nas energias renováveis para salvaguardar o futuro

Uma passagem para as energias renováveis e um esforço global para a redução dos gases de efeito de estufa é o pedido que Guterres faz aos dirigentes mundiais que se vão reunir, em Novembro, na conferência do clima (COP26) em Glasgow, na Escócia. Construir o futuro com instrumentos do passado já não é possível.

«Se unirmos forças agora, podemos evitar a catástrofe climática. Mas, como o relatório desta segunda-feira indica claramente não há tempo e não há lugar para desculpas», apelou o secretário-geral da ONU num período em que o sul da Europa, a Sibéria e os Estados Unidos estão a ser afectados por grandes incêndios que antecederam inundações em larga escala na China, Bélgica e na Alemanha.

Em Portugal, e depois do anúncio do fecho da central de carvão de Sines em Setembro de 2023 (e também a que têm nas Astúrias), o ministro do ambiente, João Pedro Matos Fernandes, disse no Parlamento que acredita ser possível antecipar o encerramento das centrais a gás que actualmente têm como data 2040. O governante também acredita ser possível antecipar a data de finalização do roteiro de descarbonização, que acompanha a vontade europeia de chegar a 2050 como um «continente verde».

Noticias Relacionadas

Deja un comentario