Portugal coloca um travão no desconfinamento

Aumento do número de casos e variante Delta coloca o país no vermelho

Comparte el artículo:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Portugal decidiu colocar um travão no seu processo de desconfinamento num momento em que o aumento do número de casos levou o país de volta a lista vermelha. O país volta a ser o país da União Europeia (UE) com a maior taxa de incidência da covid-19, Espanha está em segundo lugar com 121 casos por cem mil habitantes. Em relação às mortes, Portugal é a nona nação com menos mortes diárias.

O Governo português não vê um «descontrolo total» desta quarta vaga mas a variante Delta (vinda da Índia), que é mais transmissível e ataca uma população mais jovem, obriga a que Área Metropolitana de Lisboa adopte medidas mais restritivas mas todo o país está em alerta. Os números diários não eram tão altos desde Fevereiro. Até ao fim de Agosto a variante Delta, em território luso (tal como em França e na Polónia) já existem casos de Delta Plus, vai representar 90% dos casos em território europeu.

Actualmente a incidência de Covid-19 ultrapassa os 128,6 casos de infecção por cada 100 mil habitantes a 14 dias e o R(t) está em 1,17. Na região de Lisboa e Vale só Tejo o número de camas ocupadas com doentes infectados é superior a 400, 100 estão nos cuidados intensivos. O aumento novos infectados, que na sua maioria são jovens, fez com que áreas dedicadas a doentes Covid de vários hospitais voltassem a entrar em funcionamento. Uma das medidas de restrição impostas é a proibição de entradas e saídas da região de Lisboa durante o fim-de-semana, a mesma só poderá acontecer com um certificado covid que comprove a vacinação completa ou um teste negativo, que pode ser comparticipado pelo Governo.

Ao contrário do que aconteceu em outras vagas, em que uma população mais idosa era a que era mais afectada, actualmente e mesmo com o programa de vacinação activo (espera-se que em Julho seja possível vacinar todos os adultos com mais de 18 anos) a situação leva a que restrições sejam levantadas e a ministra da presidência, Mariana Viera da Silva afirmou que “a expectativa que temos é que nas próximas semanas os casos continuem a aumentar”.

Mesmo com a deterioração da situação pandémica, o avanço na vacinação é visto como essencial pelo Governo e os actuais dados em nada se assemelham com os que foram vividos durante o Estado de Emergência. 1.213 pessoas com as duas doses da vacina tomadas acabaram por se infectarem mas apenas 5 morreram, o que comprova a importância de uma vacinação em massa. Este apelo foi também reiterado por António Guterres, que esteve presente no Parlamento Europeu.

Noticias Relacionadas

Deja un comentario