Uruguai quer fazer parte de um possível Mundial Ibérico em 2030

Candidatura Ibérica é a favorita para sedear o Mundial do centenário

Comparte el artículo:

A candidatura Ibérica para o Mundial 2030 é uma das mais bem classificadas e que dá mais que falar no sorteio do Mundial do Qatar. No outro lado do Atlântico o reeleito presidente da CONMEBOL, Alejandro Domínguez, falou sobre o Mundial que há 100 anos começou no Uruguai. A confederação sul-americana também tem um candidato (Paraguai, Uruguai, Chile e Argentina) mas caso não consigam a organização do maior certame futebolístico do mundo, o dirigente paraguaio avançou com uma alternativa.

Caso o Mundial do centenário ocorra em território ibérico poderia haver a cerimónia de abertura no Uruguai, lembrando o início da competição em 1930, e as partidas aconteceriam em Portugal e em Espanha. A aliança entre a CONMEBOL e a UEFA vai levar a criação de uma Finalisima entre os campeões americanos e europeus e Domínguez defende que as duas associações de futebol devem sentar-se e discutir sobre o Mundial de 2030.

O Uruguai é um dos países da América latina que melhor representa a presença Ibérica no continente. A Colónia de Sacramento, o mais antigo assentamento europeu no Uruguai, foi fundada pelos portugueses em janeiro de 1680. A área onde localiza-se a fundação portuguesa faz parte do Centro Histórico, reconhecido pela UNESCO como Património da Humanidade. Esta cidade recebe milhares de visitantes por ano. Em 1777, com o Tratado de Santo Ildefonso, a colónia tornou-se uma possessão espanhola. O Uruguai conquistou a sua sua independência do Império do Brasil numa guerra que decorreu de 1810 a 1828 e também envolveu Espanha e Portugal.

Esta ideia revolucionária sobre uma possível abertura de um Mundial longe de terras ibéricas já foi negada pelos dirigentes das federações do Uruguai, Portugal e Espanha. O grande objetivo dos continentes americano e europeu é receber o Mundial do centenário.

Noticias Relacionadas

Iter ab Emerita Salmanticam

En honor a la verdad, la calzada que construyeron los romanos para vincular Mérida (Emerita Augusta) con el norte peninsular -muy probablemente sobre un camino