Con el patrocinio de:

Banco de Investimentos poderá ser próximo passo da CPLP

A cooperação económica passará a ser o quarto pilar a nortear a tomada de acções na comunidade lusófona

Comparte el artículo:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Na Cimeira de Luanda, que marcou o início da presidência angolana da CPLP, o presidente João Lourenço levantou a ideia da criação de um Banco de investimentos que ajude a impulsionar as economias lusófonas. Esta proposta poderá avançar mas, segundo Marcelo Rebelo de Sousa, vai necessitar de investimentos significativos dos nove países membros da Comunidade de Países de Língua Portuguesa e também de fundos europeus.

Este banco poderá ajudar nos investimentos no mundo lusófono e os líderes da CPLP comprometeram-se a reforçar as parcerias para conseguirem reforçar as suas economias abaladas pela pandemia. A chegada da Covid fez com que a fome e a pobreza aumentassem e criassem desafios adicionais aos objectivos de desenvolvimento propostos pela comunidade. Na declaração final da cimeira, os chefes de estado e de governo defenderam que a recuperação económica deve passar pela criação de «empregos dignos, rendimento e capacidade produtiva». Se tal for alcançado será possível transformar a comunidade numa força economia relevante.

Para alcançar a cooperação económica e a criação de uma nova agência, que neste caso seria o Banco de investimentos, será necessária uma revisão dos estatutos da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa. A CPLP, que foi criada há 25 anos, está baseada em três pilares: concentração política e diplomática, uma maior cooperação em todos os domínios e promoção e difusão da língua portuguesa.

Cooperação económica como 4° pilar da CPLP

A cooperação económica é um dos pontos que saiu deste encontro. Os líderes lusófonos comprometeram-se em Luanda a concretizarem projectos que ajudem a desenvolver uma maior cooperação económica e empresarial. Para se alcançar uma maior cooperação comercial e empresarial, que passaria a ser um quarto ponto da CPLP, foi aprovada uma resolução que incentiva a criação de um Fórum das Agências de Promoção do Comércio e do Investimento.

Este impulso económico, dinamizado pela presidência angolana, foi saudado pelos líderes lusófonos pois com esta visão será possível «apoiar a construção de um futuro comum e sustentável», isto sem esquecer as potencialidades que cada um dos estados apresenta. A presidência angolana, que vai decorrer até 2023, será feita sobre o lema “Fortalecer e Promover a Cooperação Económica e Empresarial em tempos de pandemia, em prol do desenvolvimento sustentável nos Estados-Membros da CPLP”.

Os chefes de Estado e de Governo presentes na reunião também defenderam um maior envolvimento tanto da sociedade civil como dos países e observadores associados pois com uma maior cooperação económica será possível melhorar de uma forma forma significativa e equitativa a vida das populações dos estados-membros.

Noticias Relacionadas

La ciencia ibérica investiga el pan de La Raya

«El sabor siempre está en el tiempo», asegura Elisabete Ferreira, tercera generación de una panadería artesanal de Bragança (Portugal), que participa en el Laboratorio Hispanoluso

Deja un comentario