Espanhol Português

A Xunta reenvidicou a conhecida saída sul do Corredor Atlântico, que conectaria Vigo ao Porto, e é vista como “estratégica” pela Confederação de Empresários de Pontevedra (CEP) e apresentou um relatório que assegura que sua execução permitirá aumentar em 6% a actividade do porto da cidade olívica.

Depois de participar de um evento em Vigo, no qual foi apresentado o estudo encomendado pelo governo galego a esse respeito, o Ministério Regional de Infraestrutura e Mobilidade, Ethel Vázquez, destacou a “aliança bem-sucedida” alcançada com empresários, autoridades portuárias e entidades sociais, bem como com os governos das Astúrias e Castela e Leão. Também lembrou que permitia “corrigir” um “erro histórico” e evitar que a região noroeste não fosse incluída no Corredor Atlântico.

Além disso, em 2019, a saída sul de Vigo, que inclui, além da conexão com Portugal, um link com o terminal portuário de Bouzas, foi integrada à rede básica europeia dos comboios de carga. Estas obras devem ser concluídas antes de 2030. Para acessar ao financiamento correspondente, o governo deve apresentar à União Europeia, a partir do próximo ano, este projecto, que deve entrar em concorrência competitiva.

Perante esta situação, Ethel Vázquez sublinhou o prolongamento do “trabalho conjunto” realizado com o CEP para reivindicar a importância da saída sul para a competitividade comercial da Galiza.

Indicou-se que o governo pretende & apresentar esta ação perante a União Europeia (UE)”. Só assim poderão acessar os fundos do Mecanismo Interconectando a Europa e permitir que “se materialize”. Também avançou que “não será aceite um não como resposta. ”

Por sua parte, o presidente do CEP, Jorge Cebreiros, pediu “insistência para que ninguém esqueça os investimentos” na Galiza e pediu a apresentação dos projectos pelo governo para que a acção “seja uma realidade na próxima década e permitir aumentar a competitividade das empresas da comunidade”.

Da mesma forma, o Ministério das Infra-estruturas e Mobilidade especificou que o relatório encomendado pelo Governo da Galiza confirma que a execução da saída sul atrairá mais actividades de carga e descarga de veículos para o Porto de Vigo e aumentará o tráfego em 6%, o que o que significa 240.000 toneladas adicionais.

Neste sentido, ressaltou que o aumento da actividade portuária vai reduzir as emissões de CO2 em 80%, para 300.000 toneladas, e também causará uma diminuição do tráfego pesado nas estradas, o que, na sua opinião, terá um impacto positivo na queda da taxa de perda.

Em relação ao estudo, também indicou que a execução da saída sul e a sua conexão com o terminal portuário de Bouzas. Estas obras vão implicar um investimento de 496 milhões de euros, o que será tanto “sustentável” do ponto de vista económico como “rentável” quanto ao social.

Nesta linha, explicou que, de forma directa e indirecta, a execução deste projecto deverá ter um impacto de cerca de 660 milhões de euros, o que representa um aumento de 1% do PIB de Vigo e 590 empregos. Ethel Vázquez também avançou que, durante os primeiros 20 anos de operação, o efeito dessa infraestrutura será de 528 milhões de euros, o que representará um aumento de 0,3% do PIB da cidade e gerará 225 empregos.

Além disto, o Ministério Regional avaliou que a saída sul permitirá que o transporte de passageiros se concentre no terminal de Urzáiz e acabe por o transformar numa estação de passagem. Também garantiu que reduzirá o tempo da viagem entre Vigo e Porto em 15%, bem como em 40% numa viagem entre Santiago e a cidade portuguesa. A conexão entre Vigo e Ourense também seria mais rápida, já que sua duração baixaria em 20% o tempo gasto e iria aumentar a sua procura.

Também detalhou que existe uma estimativa que, em quatro anos, a demanda por viajantes iria ser multiplicada por oito, o que acabaria por exceder os 462.000. Além disso, estima-se que 35% dos peregrinos portugueses optariam pelo comboio como meio de transporte de volta a Portugal.

Por esta razão, Ethel Vázquez observou que a execução da saída sul permitiria “escorar a Eurorregião Galiza-Norte de Portugal” e dar continuidade ao Eixo Atlântico directamente em direcção a Portugal e ao planalto “.

O chefe regional de Infraestrutura também destacou que o índice de rentabilidade de uma saída sul poderá elevar, isto segundo um relatório, a 9,73%, quase o dobro do mínimo estabelecido pela Adif para projectos deste tipo.

Eurocidade do Guadiana reclama comboio entre Huelva e Faro

O diretor da Eurocidade do Guadiana, Luis Romão, destacou durante reunião realizada com Isabel Ferreira, Secretária de Estado da Valorização Interna da República Portuguesa, a necessidade de retomar o projeto de construção da linha férrea entre Huelva e Faro. A Comissão de Coordenação do Desenvolvimento do Algarve (CCDR), representada pela Chefe de Cooperação, Susana Faisca, apoiou este pedido e apreciou a importância que teria para a Eurorregião Alentejo-Algarve-Andaluzia no seu conjunto.

A Secretário de Estado comunicou que, embora o projecto ferroviário Faro-Huelva tenha estado presente durante as reuniões estratégicas bilaterais, não foram estabelecidos prazos para a reativação de tal proposta.