Espanhol Português

No início de 2017, um grupo de empresas promoveu a plataforma da Rede Estremadura, a fim de impulsionar as conexões na região às redes ibéricas do século XXI. O conceito do Corredor Ibérico do Sudoeste logo surgiu como um potencial emergente para redes de fluxo interconectadas entre Lisboa e Madrid. As redes da Estremadura, Alentejo, Castilla-La Mancha, Setúbal, Algarve, Andaluzia Ocidental e Portugal Central interagem com as de Lisboa e Madrid, constituindo a rede do Corredor Sudoeste Ibérico, que interligada às redes ibérica, europeia e global, formando um todo. Esse processo levou ao surgimento de uma rede de empresas comprometidas num projeto chamado Sudoeste Ibérico em Redes. Para saber um pouco mais sobre este projecto entrevistamos Antonio García Salas, coordenador da Plataforma que reivindica esse corredor estratégico.

Que novos argumentos económicos, políticos e ecológicos existem em cima da mesa sobre a exigência do AVE Madrid-Lisboa por parte da Estremadura neste cenário pós-pandemia?

O que se está a construir é uma linha de Alta Velocidade (LAV) mista de passageiros e mercadorias, que faz parte da Rede Transeuropeia de Transportes (RTE-T), e com o fim de unir as duas capitais ibéricas com a Rede da União Europeia, que também faz parte dela e foi financiada parcialmente com fundos europeus. Isto excede nas decisões independentes dos estados e isso é muito importante de ter em conta. Dentro da Europa é inconcebível uma situação de tanta falta de comunicação dois estados fronteiriços que tem a maior, mais antiga e impermeável fronteira entre estados na Europa. As fronteiras podem ser fontes de riqueza e comércio e pelas suas diferenças comparativas também podem ser fontes de pobreza ou isolamento pela sua impermeabilidade. A conexão ferroviária entre Lisboa e Madrid pode marcar um antes e depois entre os dois países e nas suas vantagens competitivas em relação ao mundo. O Brexit é mais um argumento para que Espanha e Portugal, juntos, sejam uma potente voz na Europa. Juntos somos muito mais economicamente. Somos a principal potencial mundial a nível turístico e mais para a frente poderemos ser uma potência logística mundial, com isso poderemos potenciar a indústria. Mas também há razões ambientais que justifiquem, de uma maneira mais imediata, uma conexão eléctrica e de alta velocidade que ligue Madrid a Lisboa. Por ano, mais de um milhão e meio de passageiros viaja entre Lisboa e Madrid de avião. Na actualidade, esta contaminação é inadmissível e evitável, já que um comboio de alta velocidade que viaje a 600 kms é uma alternativa ao avião já que pode ser integralmente movido a energias renov e como tal teria curtas emissões.

Como acreditas que o projecto do novo aeroporto português do Montijo pode beneficiar o corredor ferroviário do sudoeste ibérico?

O governo de Portugal e a sociedade portuguesa no geral não estão a exigir a alta velocidade pois a sua demanda não está muito assumida e acreditam que os custos de passar o Tejo podem ser demasiados altos. Por isso acreditamos que, primeiro, a demanda deve ser generalizada o mais rápido possível, em 2021 um comboio poderá começar a operar entre Lisboa e Madrid na Linha do Leste e em 2024 nas novas linhas que estão sendo construídas entre Évora e Elvas no Corredor Internacional do Sul. Isso permitirá emanar e suprimir a demanda e a necessidade. Por outro lado, se o novo aeroporto for construído definitivamente no Montijo, ou em Alcochete, acreditamos que haverá uma conexão muito fluida entre o aeroporto e o centro de Lisboa. No final, esta linha do AVE pode ser avaliada com o novo aeroporto, a sul do Tejo, evitando numa primeira fase a construção de uma ponte para o AVE. Isso poderia permitir que as capitais ibéricas fossem conectadas na próxima década, conforme indicado pela UE.

No dia 16 de Junho, você vai participar da primeira reunião virtual de especialistas em “Hidrogénio como vector de desenvolvimento socioeconómico no sudoeste ibérico”. Que objectivos imediatos podem ser estabelecidos com a tecnologia de hidrogénio?

O Sudoeste Ibérico é um dos espaços ambientais mais importantes da Europa e provavelmente do Mundo. Hoje em dia podemos presumir ser um território livre de CO2 e deve tornar esse recurso a sua marca. Além do turismo e da agroalimentação, um dos seus potenciais mais óbvios é a energia e em muito pouco tempo deve ser uma referência para as energias renováveis. Temos sol, água e superfícies disponíveis. Este é um magnífico coquetel para as novas energias. O maior problema da energia solar é o armazenamento e o hidrogénio é um vector ideal para armazenamento e transporte. E nós temos os recursos necessários. Uma grande indústria de hidrogénio está a ser planeada para Sines, o que pode gerar um óptimo pólo de referência. Mas queremos ir além e colocar desafios à sociedade para a sua produção e uso. Entre os imediatos, propomos diferentes projectos-piloto de mobilidade com hidrogénio, o que já existe em outros locais e pode ser usado em veículos, comboios, aviões ou navios. Uma proposta para começar seria a conexão do Entroncamento com Puertollano.Isso permitiria conectar imediatamente Lisboa a Madrid, com todo o percurso usando eletricidade. Mas existem muitos outros usos. O hidrogénio pode ser um dos principais símbolos de uma nova era. E do sudoeste ibérico devemos nos juntar a esta revolução.

Você participou da primeira reunião preparatória da iniciativa do EL TRAPEZIO para organizar um Fórum Cívico Ibérico durante a próxima Cimeira Ibérica da Guarda. Qual a sua visão sobre esta iniciativa e sobre as expectativas para a próxima Cimeira Ibérica?

Acredito que o podemos qualificar como um facto histórico. Reunir tão diferentes perfis e interesses com o objectivo comum de que os países ibéricos deixem de estar de costas. O que é muito importante. E, sobretudo, deixemos de falar e passemos a actuar. Na teoria, é fácil estar de acordo mas há que dar passos firmes que beneficiem a sociedade. Somos dois povos irmãos que temos, cada um, a nossa personalidade e temos que respeitarmo-nos. Parece mentira que durante tantos anos não nos conhecemos e respeitamo-nos como todos merecem. Ao longo dos séculos, houve muitos interesses para nos olharmos com desconfiança e agora temos que ganhar confiança e conhecimento. E para isso temos que costurar a fronteira, criar infra-estruturas de comunicação e enfrentar projectos conjuntos. Penso que poucos projectos poderiam nos pressionar mais para fortalecer os nossos laços do que sediar conjuntamente o Campeonato do Mundo de 2030 e uma proposta conjunta de Lisboa e Madrid para organizar os Jogos Olímpicos de 2032. Estes dois iriam nos forçar para criar a infra-estruturas de conexão de rede que justifiquem que juntos somos uma referência mundial.