Espanhol Português

Neste primeiro aniversário, desde o EL TRAPÉZIO, primeiramente, queremos agradecer a todos os leitores, portugueses e espanhóis, que todos os dias se informam na nossa plataforma mediática ibérica. Tal como nos propusemos desde o início, somos uma publicação digital bilingue dirigida para uma comunidade hispanofalante e lusófona. Temos contribuído, ainda de forma embrionária, com o nosso objectivo de criar uma opinião pública ibérica mas conscientes da existência de barreiras administrativas e linguísticas peninsulares.

Neste ano temos demonstrado, de uma forma natural, que existe um suficiente caudal diário de notícias e informações de qualidade e que interessam ao mundo ibérico. O que justifica um projecto mediático ibérico. Para alargar as suas bases e desenvolvê-lo, lançamos o canal do EL TRAPÉZIO no Youtube e onde podem ser encontradas as várias edições do programa Conexão Ibérica (que inova a fórmula da intercompreensão), aulas de literatura portuguesa, entrevistas e a recente emissão do Fórum Cívico Ibérico.

Este ano aplaudimos todas as iniciativas de coordenação institucional ibérica e da sociedade civil e criticámos a falta de coordenação ibérica, como nos casos flagrantes da reabertura de fronteiras ou dos impactos ecológicos. Isto respeitando sempre a soberania nacional e dando liberdade de expressão ao Iberismo.

Consideramos extremamente importante criar uma rede ibérica de contactos, trabalhando no eixo: Madrid-Lisboa-Raia, bem como agregar outras vontades que queiram contribuir independentemente da especialização, território ou ideologia. Para fortalecer as relações entre Espanha e Portugal, é necessária uma massa crítica de cidadãos. Ao mesmo tempo, estamos aumentando, modestamente, a nossa credibilidade e influência em ambos os governos, que já começaram a considerar o transfronteiriço estratégico. Queremos ser úteis para os dois países e transmitir que, se a estratégia transfronteiriça é bilateral, o que é bilateral e não transfronteiriço também deve ser considerado estratégico.

Acreditamos que o adiamento da Cimeira não pode supor um adiamento das políticas integradoras. É necessário tratar com a máxima urgência e prioridade os seguintes temas: os investimentos na Raia; o comboio de alta velocidade Madrid-Lisboa; o órgão de coordenação política a nível ministerial que se esperava ver aprovado na Cimeira e as negociações para um novo tratado de Amizade e Cooperação, onde a ambição e a imaginação devem prevalecer diante da suspeita burocrática.

É difícil superar certas inércias históricas mas vários sinais de esperança, como é o caso da Estratégia Comum de Desenvolvimento Transfronteiriço, o compromisso com o corredor ferroviário Sines-Madrid e a nova Eurocidade Puerta de Europa (Vilar Formoso-Fuentes de Oñoro-Ciudad Rodrigo-Almeida) .

Este é o primeiro ano de muitos outros. Esperamos que no próximo ano, no nosso segundo aniversário, possamos comemorar juntos, colaboradores e leitores.

Um fraterno abraço ibérico por parte de toda a equipa do EL TRAPÉZIO.