Badajoz, a educação patrimonial e a longa sombra de Elvas

Comparte el artículo:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Há uns dias reflectia sobre a utilização algo tosca que nos últimos tempos Badajoz tem feito da figura do rei Alfonso IX. A inauguração, a 18 de Março de 2021, de um mural de cerâmica no passeio do rio que comemorava a conquista da capital da Baixa Extremadura pelo rei leonês e a vontade de instituir o dia 19 de Março, lendário dia da conquista, como o Dia de Badajoz para algumas formações políticas e as associações locais suscitaram as mais diversas reações sociais. Uma delas foi um acto de vandalismo na homenagem de cerâmica, isto apenas um mês após sua inauguração. Para além da faixa, parte da obra foi estilhaçada, especificamente a parte em que está representado o exército conquistador cristão.

Infelizmente, em Badajoz estamos habituados a este tipo de actos, provocados por pessoas de ideologias opostas e também por pessoas incapazes de ter uma ideologia. Se a isso somarmos o clima de tensão em que estamos imersos e a ignorância generalizada de que gozam muitos dos nossos políticos, temos o coquetel certo para que estes eventos ocorram. Além disso, numa cidade caracterizada pelo tradicional desconhecimento da sua história e pelo abandono do seu património, não nos surpreende que cada vez que um elemento do património seja inaugurado ou reabilitado, surjam loucos para deixar a sua marca. E é que a questão mais importante, a educação e a pedagogia histórica e patrimonial, foi esquecida.

Suponho que podemos partir do princípio de que a educação deve ser entendida como um pilar fundamental numa sociedade “desenvolvida”. No entanto, os estudos universitários de Ensino e Pedagogia são os de menor prestígio em Espanha. Além disso, a falta de exigência de nota mínima para o exercício dessas carreiras ou a possibilidade de realizá-las em qualquer cidade de nível universitário, o que indica a escassa atenção social à profissão de professor e / ou pedagoga. Talvez, se, como na carreira de Medicina, fosse exigida uma nota alta para o ingresso, aqueles que realmente tivessem vocação para ela se tornassem educadores, e não apenas aqueles que buscam trabalhar na função pública. Este é um ponto fundamental para continuar com tudo o resto.

Outra questão essencial é a condição socioeconómica que as Humanidades actualmente tem. Concordará comigo que o encurralamento a que estão submetidas disciplinas como a filosofia ou as línguas clássicas ou a ampla consideração da cultura como lazer e não como uma necessidade humana (na medida em que é o que nos diferencia dos animais), não ajuda para entender a própria sociedade, nem, é claro, para desenvolver o pensamento crítico. Assim, História ou Património são nada mais nada menos do que “contos do passado” ou “edifícios antigos” que apenas servem para satisfazer a curiosidade, como um passatempo ou para dela tirar algum proveito económico através da sua reconversão turística.

Por último, não podemos esquecer a falta de sensibilidade dos responsáveis políticos, aqueles que tomam as medidas necessárias para mudar esta situação. Nem é preciso dizer que a falta de entendimento em Espanha sobre uma Lei d Educação que ultrapasse uma legislatura, o que demonstrava o que temos defendido. Uma sociedade que se quer culturalmente avançada não pode ser sustentada por projectos que aparecem de quatro em quatro anos. Além disso, no caso da Extremadura, as diferentes cores políticas que governaram a Junta e a cidade de Badajoz nos últimos anos resultaram num eleitoralismo ainda mais pronunciado, o que sem dúvida influenciou as políticas sociais e culturais urbanas.

Com este panorama brevemente exposto, embora nos últimos anos tenha havido mudanças no que diz respeito à sensibilidade para com o património de Badajoz, a excessiva lentidão dos projectos de reabilitação do património e à baixa percentagem da população activa no mundo da pedagogia histórica não vão evitar no curto prazo novas acções e declarações sem qual tipo de perspectiva cultural, sejam elas em fissuras nas paredes, manchas de tinta em estátuas de conquistadores ou nos chamados “reconquistadores”. No entanto, apesar do pessimismo manifesto, Badajoz tem um potencial suficiente para reverter esta situação. Uma cidade que tanto sofreu com as guerras e o abandono do seu património histórico não pode perder a oportunidade de reivindicar a sua responsabilidade cultural. Além disso, tem um espelho muito próximo: Elvas.

A encantadora cidade portuguesa, Património da Humanidade, é a irmã mais nova da cidade espanhola e conseguiu brilhar com uma luz própria que, apesar da proximidade, não conseguiu irradiar sobre Badajoz. Pelo contrário. A leste da Raia apenas uma longa sombra chegou e que esconde a beleza que, até agora, a capital da baixa Extremadura não esconde com qualquer tipo de maquilhagem. A gestão de património que Elvas tem realizado nas últimas décadas tem sido excelente e a consciência patrimonial dos seus habitantes é igualmente invejável.

Badajoz deve se olhar no espelho. A cidadela deve ser um centro arqueológico, museológico e universitário, não apenas um centro turístico, onde a educação patrimonial é promovida. O restante do centro histórico deve ser erguido num bairro cultural, atraente para estudantes e artistas. O momento certo é agora, quando começaram as obras de Campillo e finalmente se projecta o Consórcio. O conselho municipal e o governo devem estar à altura desta tarefa. Esperançosamente, um dia, quando a cultura em Badajoz gozar de um estatuto diferente, os ataques contra o patrimônio não serão mais comuns. Apenas é necessário olhar para o outro lado da Raia.

Juan Rebollo Bote

Noticias Relacionadas

Como chegámos a uma «Tempestade Perfeita»?

O que é uma «Tempestade Perfeita»? Normalmente quando utilizamos esta expressão estamos a descrever um fenómeno meteorológico que foi criado graças a confluência de vários

Deixe um comentário