Espanhol Português

Ah, o Iberismo! Como ninguém respondeu, o rio da vida gerou os dois primeiros partidos políticos ibéricos.

Quase dez anos se passaram desde que em Puertollano, Ciudad Real, Espanha, ibéricos de diferentes partes da Espanha e Portugal começaram a se reunir quase periodicamente. No quinto encontro, eles decidiram constituir-se como partidos políticos legalizados para aplicar na Hispania, ou na Península Ibérica, uma teoria e uma ação política conjunta baseada na crença que juntos repararíamos um erro histórico de séculos e juntos seríamos mais fortes.

Em Portugal, à medida que eram necessárias mais assinaturas e os documentos de identidade, adoptaram a fórmula do Movimento Partido Ibérico (PI). Em Espanha, com mais oportunidades, foi criado o Partido Ibérico (Ibér).

Tínhamos chamado e procurado o Iberismo na história, na arte, na literatura e nas redes mas as respostas eram utópicas ou ambíguas, com pouca substância transformadora, muito diferentes em ideologia e irrealista.

Depois de Quevedo, “exclamamos, ah, o Iberismo!”. Ninguém me responde? Assim decidimos que tínhamos que dar coragem, mesmo recebendo críticas de muitos ex-parceiros ideológicos, a troça típica dos “presuntos ibéricos” e a pressão daqueles que nos pediram para nos definirmos às pressas nas perguntas mais delicadas e menos urgentes. Mesmo assim, aqui continuamos. Mão firme no leme, rumo seguro. Claro que houve viagens e traições. Mas como não poderíamos as ultrapassar se na vida e na política vencemos tempestades piores.

A principal preocupação era que toda a Península Ibérica sofresse as consequências de uma terrível crise económica que apenas poderia ser mitigada, em parte, pela ajuda do Banco Central Europeu que em troca iria pedir sacrifícios cada vez mais humilhantes para empregadores e trabalhadores.

Com um campo ibérico deserto, procurando mais a quantidade do que a qualidade dos alimentos, isto com base no aumento de uma procura até a exaustão; um banco arruinado pela incompetência de políticos e sindicalistas que tomam decisões inadequadas nos conselhos de administração; pesca extinta e uma indústria deslocalizada. Somente o turismo manteve os dois países à tona, isto até a pandemia.

Hoje culpa-se o vírus de um mal igual ou maior mas há que esperar. Nos dois partidos ibéricos perguntamo-nos: “Como é possível que países democráticos, modernos e desenvolvidos, como Espanha e Portugal, estejam arruinados em apenas três meses de confinamento? Como é possível que não tenhamos reservas para três meses?”.

Deixemos de lado a gestão desta crise. Não havia razões na esquerda para criticar a direita em crises anteriores, como o caso Prestige, o de pedimos o confinamento do navio num estuário, para tentar conter esta situação. Não há motivos mas se os houver eles terão que ser fundamentados para poder converter o parlamento num local onde as desqualificações não civilizadas contra o governo não existam.

Todos os governos do mundo foram desassossegados, de natureza desencadeada. Todos foram superados pelas circunstâncias. Todos deixarão uma memória histórica de milhares de doentes sozinhos nas suas casas, sem cuidados directos e com consequências, milhares de infectados. Milhares morreram e os caixões ficaram lotados os cidadãos abandonaram os seus tratamentos periódicos e o medo começou a ser uma constante.

Agora, emerge um futuro cheio de perguntas mas não só na área da saúde, que já é grave. Há questões sociais, políticas e económicas que nunca tiveram uma maior instabilidade internacional no período pós a Segunda Guerra Mundial. Cada um se salvará, e Espanha e Portugal, que ainda não superaram a crise anterior, sofrerão um atraso maior, principalmente se o turismo falhar.

Se no passado o fortalecimento de Espanha, a sua coesão territorial, era uma necessidade básica, que a democracia não soube resolver e hoje não é o suficiente com essa maior resposta unitária dos territórios espanhóis diante da crise. Não só a união de toda a Ibéria poderia paliar em parte. Digo isto em parte pois esta grande ameaça pode nos tornar um pouco mais auto-suficientes.

Essa é a nossa tarefa, enquanto o resto dos partidos políticos peninsulares procuram um outro lugar. Ignorando um sentimento de unidade existente na Península. Todos se recusam a considerar a Unidade Ibérica como um objectivo nos seus Programas.

Continuaremos a lutar para alcançar o sonho da Iberia e para que esteja não seja apenas um sonho. Agora, aprendendo sobre gestão municipal, que é a mais próxima dos cidadãos.

Cervantes disse que era preferível o caminho do que parar. Os Grupos ibéricos que repousam as suas teorias de paragem são muitos e devem ser respeitados. Mas preferimos ter um caminho e não apenas percorrê-lo mas contribuir para a sua pavimentação. Preferimos ser pavers a donos de casa. Estamos à procura de uma utopia com factos e um final eficiente.