Espanhol Português

Uns 100.000 judeus espanhóis saíram de Espanha em 1492 depois do “Edito de Expulsão”. A maioria foi para o vizinho reino de Portugal. Possivelmente os fermosellanos atravessaram o rio através de “el Piélagos” ou o troço junto à foz do Tormes, instalando-se em aldeias próximas como: Sendín, Mogadouro, Miranda do Douro. Assim, não só poupariam os 8 cruzados per capita que o Rei de Portugal exigia dos refugiados, mas também evitariam os perigos da circulação nas estradas e caminhos.

Os processos inquisitoriais dos convertidos que caíram nas mãos do “Santo Ofício” em Portugal contam a sua história, as suas vicissitudes e as suas origens. As relações e laços familiares foram mantidos ao longo do tempo e quando as perseguições em Portugal se intensificaram, muitos dos perseguidos voltaram e se refugiaram em Castela, embora aqui já fossem chamados de “portugueses”, termo que também denotaria a condição de cristão-novo ou convertido.

António e André Ramires, cristãos-novos, moravam em Miranda do Duero, na Rua da Costanilha. António, 65 anos, curtidor e cobrador de aluguer, era casado com Branca Gonçalves, cristã-nova, foi presa na mesma época que seu marido e libertada 7 anos depois. A primeira acusação contra António Ramires já ocorria em 1638 e foi feita por María Lopes, cristã-nova. Ela alegou que quatro anos antes, a quando da morte da filha de ambos, assistiu a rituais fúnebres e costumes “estranhos”. António foi acusado de judaísmo e foi sentenciado a morte na fogueira em 1645.

André era sapateiro, tinha cinco anos a menos que António e foi preso 8 meses antes que o seu irmão. A sua mulher, Catarina Rodrigues, foi a presa da vez. O cristão-velho António Fernandes, sapateiro, que por vezes trabalhava na casa de André, denunciou o seu patrão. André foi condenado a excomunhão e confisco de bens. Em 1644 foi queimado na fogueira em Lisboa, apenas um mês após o seu irmão António.

António mencionou no seu interrogatório, entre outros, o seu avô Francisco, a sua tia paterna Catarina Ramires e a sua filha, casada, que vivia em Fermoselle e cujo nome omitiu mas não existe dúvida que era Maria Ramírez. É comum ver nos processos que os presos têm memória curta na altura de lembrar os nomes das pessoas próximas e, assim, evitando colocá-las em perigo.

Maria Ramirez, filha de Catarina, testemunhou em Fermoselle em 1645 e no testemunho, entre outros, mencionou o seu filho Jorge Rodríguez de Cubillos, pároco de Fariza. Um filho padre era o melhor álibi que uma família de convertidos poderia ter naqueles anos de dúvidas e suspeitas. Um sacerdote poderia ter uma Bíblia e ler o Antigo Testamento, dispensar, ou não, os sacramentos e “corrigir” um registro sacramental sem levantar suspeitas. Os sobrenomes de Maria Ramírez foram mudando com as sucessivas certidões de baptismo dos seus filhos, assim se tornando Rodríguez, Ramos, Santos, após a partida do seu último filho em 1661, bem como na revisão do cumprimento de seu testamento em 1647. Chamava-se Gobea. E foi preciso distanciar-se e dissociar-se dos primos Ramires de Miranda, de uma povoação próximo de Fermoselle, condenados à fogueira por judaização.

Estes são alguns dos ancestrais judeus dos descendentes da linhagem de Fermoselle.

María Dolores Armenteros Castaño