Espanhol Português

Sempre nos disseram na história, principalmente nas mais sagradas, o declive das civilizações ocorre do excesso dos homens.

É curioso que esta pandemia ocorra no meio de uma crise civilizacional caracterizada por um impressionante desenvolvimento industrial que esgotou as reservas do planeta; conquistas da classe trabalhadora no Ocidente que nunca haviam sido conhecidas; pela conquista de liberdades que devam ser definitivas pelo que custaram;  mudanças sociais que colocaram grupos anteriormente marginalizados no topo da pirâmide: homossexuais, pessoas com deficiência, mulheres, e que a partir de agora serão protagonistas da história etc; uma maior convivência na paz entre os países; um desenvolvimento tecnológico que suavizou o trabalho, mesmo entre as diferentes áreas que procuravam novas abordagens. Toda esta acção provoca desgastes, as próprias grandes potências acabaram com a globalização e agora não sabem conjugar a liberdade de um mercado com proteccionismo nem como vão seguir crescendo apesar de injectarem cada vez mais dinheiro nas suas economias. Na Europa a situação ainda é mais grave por causa dos nacionalismos e dos egoísmos muito próprios.

No aspecto social, a democracia perdeu credibilidade e a ameaça dos totalitarismos é uma realidade que em alguns lugares ganhou acomodação fácil.

Há uma relaxação moral que se reflecte nas instituições, em serviços essenciais para a sociedade, nas redes sociais, na falta da relação com o outro, numa forte competência desde o nascimento para encontrar um trabalho e mantê-lo, nos maus-tratos contra as mulheres, na desestabilização da família, a desigualdade cada vez maior, a falta de uma ética aceite por todos.

Só que pensar que a origem e os efeitos desta pandemia surge de uma decomposição, de um determinismo ou azar cósmico, da evolução natural da espécie e inclusive aceitar a convicção de Ésquilo no Prometeu de que o destino e a tragédia do homem está aprendendo pelo sofrimento. Isto não nos levaria a nenhuma verdade sustentável.

Karl Jaspers nos emociona quando ele nos adverte que, ao afundar diante dos deuses e do destino, o homem transcende o ser que é.

Coincidência entre sucessos naturais, culturais, sociais ou económicos, estes deram lugar a transformações históricas profundas, é um feito provado.

Formamos parte de uma realidade somada (ens realissimus) da qual emana o carácter do que é real, como nos lembra Maria María Zambrano. A partir dessa matriz em que a essência é frequentemente confundida com a existência, os homens inventaram os deuses.

Dessa matriz, dizemos nós, os homens têm feito da história e da vida de um deus e desse ventre surge a felicidade e as pandemias. Sempre teremos a dúvida do que é necessário para a vida que o homem caminhe permanentemente carregado com uma pesada mochila de dor.

Os grandes impérios, a revolução francesa e a russa, os fascismos, os grandes descobrimentos, as grandes potências actuais, todo o fruto da dor.

A dor e a necessidade nascem da necessidade. Da dor de uma cultura trancada em oráculos e mosteiros por séculos e da necessidade de acabar com o feudalismo que a protegia e a tornava conhecida de todos. Dom Quixote montou na parte de trás da imprensa para avisar o mundo que ainda é hora de procurar e encontrar a utopia, liberdade e igualdade. E dessa mesma dor de uma igreja corrompida nasce o misticismo religioso que a imprensa usa para a Reforma e para encontrar o Deus verdadeiro.

E agora, em pleno desenvolvimento da robotização, um vírus de um humilde animal abala todos os fundamentos da sociedade e nos apresenta novas necessidades.

O primeiro, avançar na democracia mas não apenas como Baruch Espinosa diria, aquilo que traz maior felicidade ao povo, algumas ditaduras também fornecem, mas aquela democracia que carrega um esquema ontológico mais racional. Uma democracia que acumula mais poder, o poder de todos os cidadãos reunidos para criar uma civilização mais solidária e igualitária, onde o conhecimento é comum e não raro.

Essa solidariedade exigirá uma autocrítica do governo quando este termine, sem medo algum, de humanos a equivocar-se; o aumento de 0´25 cada ano na inversão, investigação e ciência; um pacto nacional para devolver o estado nas competências de educação e saúde (o maior desastre desta pandemia foi a desordem autónoma e a sua comprovada ineficácia); reindustrializar o país para ser mais auto-suficiente em crises; realizar uma profunda transformação no campo para auto-suprir os nossos próprios produtos orgânicos; ajudar financeiramente empresas e trabalhadores independentes num fundo perdido; implementar uma renda básica para todas as pessoas necessitadas, com a condição de que aqueles com capacidade física e mental realizem trabalho para o Estado ou a Sociedade; uma política determinada e eficaz em relação ao meio ambiente; criar um banco ibérico de material de saúde de reserva para tempos de crise e outro de sementes ibéricas autóctones.

Sendo o desejo a essência do homem, a partir do qual começa a conhecer a realidade, desejamos verdadeiramente, depois desta lição, um mundo mais justo, habitável e solidário.

Então, teremos que considerar os desafios da robotização e os seus efeitos no emprego e na vida social e pessoal, mas isso será outra pandemia.

 

Casimiro Sánchez Calderón é presidente honorário do Partido Ibérico Iber e vereador-porta-voz do Grupo Municipal de Íber na Câmara Municipal de Puertollano.