Espanhol Português

O TRAPÉZIO queria saber em primeira mão a posição da presidenta da Câmara Municipal de San Vitero, Vanesa Mezquita, quem foi gentil para responder às nossas perguntas. A presidenta socialista não hesitou em iniciar uma coleção de assinaturas em change.org, ao anunciar diferentes mobilizações. Seu objetivo: a união do A-11 com a portuguesa A-4, convertendo a estrada Nacional (espanhola) 122 em uma auto-estrada. Desta forma, ficariam ligadas por auto-estrada Zamora com Bragança. O trabalho afeta exclusivamente do lado espanhol, porque o lado português já tem auto-estrada.

-Esta estrada têm acidentes elevados?

Nós nos referimos aos fatos. Se não está listado como tal, está prestes a ocorrer. É um ponto negro muito importante, não só a nível provincial, mas regional.

– Que deficiências da estrada nacional destacaria em particular?

Toda estrada é uma escassez. É feita para suportar o volume de transporte do tempo em que o trabalho foi realizado, no momento, com a abertura da ponte de Portugal, o tráfego aumentou de forma muito substancial. Os números são arrepiantes, que podem ser em torno de 1.700 reboques. Tal volume faz com que tenha que ser corrigido continuamente. Deve ter em mente que se trata de uma estrada nacional/internacional e representa um passo obrigatório de Portugal, não só para Espanha, mas para a Europa.

-Existe falta de infra-estrutura?

Não tem vontade de incluí-lo dentro dos Orçamentos Gerais de Estado. Aconteceu com o Presidente Zapatero, assim como Rajoy, que como ministro disse que iria colocar todos os seus esforços nesta conversão, tornou-se presidente e ele não nos ouviu. Esperamos que Pedro Sánchez resolva esta situação, não em vão, foi uma proposta do Governo socialista.

Você considera que a estrada traria consigo um desenvolvimento adicional da área?

Apesar das vozes dissidentes, minha opinião é favorável. Por exemplo, uma questão recorrente e preocupante é a falta de médicos, em parte poderia ser resolvida com a auto-estrada. Não é o mesmo 50 minutos com perigo que 20 minutos com segurança. O caso poderia estender-se igualmente aos professores e empresas. Este último, acima de tudo, procuram a velocidade de distribuição e infra-estruturas que tornem o seu trabalho mais fácil.

-Um dos grandes desafios do século XXI é o despovoamento, a auto-estrada ajudaria a fixar as populações?

É uma maneira de lutar contra ela. Tudo o que torna mais fácil trabalhar nas zonas rurais é bem-vindo. Aqui muitas pessoas planejam ficar em Zamora, porque em três viagens você tem duas chances de ter um acidente. O estranho é encontrar alguém na área que não tenha tido nenhum acidente. A última medida é manter em linha contínua mais de 70 km. Essa não é a solução, procuramos opções reais.

-Do ponto de vista da sua posição numa Câmara Municipal, pensa que A Raia zamorano-portuguesa foi a grande esquecida de todos os governos, espanhóis e portugueses?

Sem dúvida. Mais de alguns do que outros. Esperamos que a agora formada coligação nos dê uma solução. Isso é o que temos, com razão, e vamos chegar onde temos que ir. Temos o apoio incondicional de Portugal, uma vez que também são parte interessada.

-Existem colaborações com Portugal?

Sim, de fato. Mantemos os contatos constantes. Sem ir mais longe na próxima semana, está prevista uma reunião entre os dois países, por sua vez, mandam-se documentos conjuntos para as diferentes administrações espanholas, portuguesas e europeias.