Con el patrocinio de:

Países Ibéricos discutem aumento dos salários mínimos

A alimentação básica em Portugal corresponde a 13.6% do salário mínimo

Comparte el artículo:

Compartir en facebook
Compartir en twitter
Compartir en linkedin
Compartir en whatsapp
Compartir en telegram
Compartir en email

Todos governos, no início de cada ano, falam sobre o aumento do salário mínimo. O português já subiu e estão a ser preparadas mudanças no do país vizinho. Em Espanha, a ministra do Trabalho e Economia Social, Yolanda Díaz, está a preparar um aumento do salário de 35€. O salário mínimo é atualmente de 1.126€ (12 pagamentos; 965€ em 14). Esta medida vai abranger 1.8 milhões de espanhóis. A diferença entre os salários pagos por Espanha e Portugal é de 42%.

Para além deste aumento, o executivo espanhol está a preparar uma reforma da legislação laboral. Esta mudança é vista por Lula da Silva, possível candidato às presidenciais brasileiras, como um exemplo. Em Portugal, o salário mínimo é de 705€ mensais e desde há seis anos houve um aumento de 40% neste valor que é pago a 900 mil trabalhadores. Ainda em período eleitoral, António Costa numa entrevista admitiu que este pode subir aos 900€ até 2026 mas é «possível ir mais além». O BE e o PCP pedem mais e o PSD não se compromete com a subida e atira-a para a Concertação Social, onde patrões e trabalhadores sentam-se para discutir esta situação.

O custo da alimentação básica em Portugal corresponde a 13.6% do salário mínimo. Já em Espanha, é necessário 11.8% do salário para adquirir esta cesta básica, atualmente a inflação é de 6.5%, a maior desde 1992. Portugal está com uma taxa de inflação de 3.3%, abaixo da média europeia. Segundo o Eurostat, Portugal fica a meio da tabela europeia e é três vezes mais baixo que o do Luxemburgo (o maior europeu com um valor de 1.400€ mensais). Portugal é um dos 13 países, do sul e do leste, que paga um salário mínimo nacional abaixo dos 1000€.

Noticias Relacionadas