A história da presença lusa na Volta a Espanha

Joaquim Agostinho e Sérgio Paulinho são os dois nomes mais marcantes deste pelotão

Comparte el artículo:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Na actual edição da Vuelta, Nelson Oliveira (Movistar) e Rui Oliveira (UAE-Team Emirates) são os dois nomes lusos presentes no pelotão desta prova, a mais jovem das três grandes provas de ciclismo de estrada. Desde a sua criação, em 1935, 164 corredores portugueses participaram nesta prova que acontece entre o fim de Agosto e o início de Setembro. A La Vuelta e a Volta a Portugal, que é 8 anos mais velha que a sua congénere ibérica, sempre foram muito próximas e na edição de 2020 chegou-se a discutir a passagem de uma etapa por território luso mas devido a pandemia e às restrições de mobilidade esta ideia teve que ser abandonada.

A participação dos portugueses na Vuelta começou na 5ª edição da prova (1945), onde foram dos poucos corredores estrangeiros a competir. Oito ciclistas partiram para a estrada mas apenas quatro chegaram a Madrid atrás do camisola roja, Delio Rodríguez. Nos 10 primeiros esteve João Rebelo de Jesus, o único nome português entre os melhores corredores daquele ano.

Ao longo dos anos, os portugueses venceram etapas na prova espanhola e a melhor classificação, alcançada na corrida de 1974, pelo melhor ciclista português de sempre, Joaquim Agostinho. Esta prestação, que aconteceu no ano que ficou marcado pela Revolução dos Cravos, na altura fez manchete nos meios de comunicação social por um problema com a contagem de tempo do contrarelógio final que deu a vitória a José Manuel Fuente com uma curta vantagem em relação ao português, 11 segundos. Dos 164 corredores portugueses que já participam na Vuelta, o «rei» das presenças é Sérgio Paulinho, antigo medalhado olímpico, que correu pelas estradas espanholas por 8 vezes, um recorde.

Noticias Relacionadas

O (m)eu interior

Estamos em agosto, em pleno verão e época de grande atividade turística. Mesmo em contexto pandémico. Numa viagem pelo interior, uma espécie de consciência adormecida,

Deja un comentario