Camané: «Cada vez há um entendimento maior do fado no público espanhol»

Será um dos três fadistas da XI edição do Festival do Fado em Madrid

Comparte el artículo:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email
Camané and Mário Laginha

Camané conhece bem os palcos espanhóis, mas este domingo será a sua estreia no Teatro Real. Será um dos três fadistas da XI edição do Festival do Fado em Madrid que este ano tem como tema “Lisboa” e subirá ao palco com o pianista português Mário Laginha.

Camané (Oeiras, 1966) é o irmão mais velho dos também fadistas Hélder e Pedro Moutinho. Com apenas 12 anos ganhou o prêmio principal do famoso festival Grande Noite do Fado e com o seu primeiro trabalho discográfico, “Uma noite de fados”, foi eleito como a voz mais representativa da nova geração do fado. Hoje é um nome de referência na história do fado e para os novos fadistas. Está a trabalhar num novo álbum (já tem mais de dez) e em Madrid estará junto ao pianista Máio Laginha.

-Volta à Madrid, mas desta vez num palco muito especial. Que significa para si cantar no Teatro Real?

Significa muito; é um ambiente fantástico de uma noite de fado ao piano.

– Tem participado em várias edições do Festival do Fado. Como tem sido a evolução do público espanhol na perceção desta música portuguesa?

Penso que cada vez há um entendimento maior da música e parece que estou a tocar em Lisboa em vários aspetos, os silêncios e a empatia do publico que são dois aspetos fundamentais no fado.

– É um público agradecido?

Sim, é um publico que tem uma grande empatia e cria uma relação ótima com quem está no palco. Tem sido muito gratificante sempre que vou a Madrid.

– Este domingo atua junto ao pianista Mário Laginha. Como é cantar fado sem guitarra de acompanhamento?

Há um trabalho fantástico do Mário Laginha a entrar neste tipo de fado, a maior parte dos fados são tradicionais e embora não haja registos o fado começou por ser tocado ao piano. Mário é um pianista fantástico e encaixou que nem uma luva neste estilo clássico do fado. Fez um trabalho excecional.

-Como surgiu o projeto «Aqui Está-se Sossegado»?

Surgiu de uma ideia de fazer alguns concertos juntos e com o avançar percebemos que podíamos avançar para um disco. Nada foi pensado; as coisas foram surgindo naturalmente e foi muito bem aceite pelo público e nestes últimos dois anos fizemos coisas incríveis. Já tinha trabalhado com o Mário e ligamo-nos muito bem.

O título vem em sintonia entre os dois que é um poema de Fernando Pessoa num poema que era do meu avô, num disco que estava perdido desde 1925.

-Quem é mais protagonista, o fado ou o piano?

É tudo, são os dois protagonistas.

– O fado também sofreu com a pandemia?

Acho que sofremos todos, na verdade as coisas foram acontecendo, mas de uma forma mais limitada. Mas quando dava continuamos a fazer música e as pessoas iam assistir.

– A que novas vozes do fado aconselha não perder de vista?

Existem muitas vozes a aparecer que são do fado e tem as características que conseguimos identificar naturalmente como vozes do fado.

Participou ni filme Fados do diretor espanhol Carlos Saura. Como foi a experiência?

Foi boa, foi há muitos anos e com pessoas que gosto imenso como o Carlos do Carmo que era uma grande referencia para mim e um grande amigo.

Noticias Relacionadas

Marca “Península Ibérica”

El nuevo Tratado de Amistad y Cooperación entre la República de Portugal y el Reino de España es, como vamos analizando en diversos artículos de