Ruas portuguesas na capital espanhola: um pedacinho de Portugal em Madrid

Comparte el artículo:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Os espaços que os seres humanos constroem também contam histórias, a rua por exemplo, é o local onde várias gerações convivem mutuamente ou não, é o espaço físico onde a vida social acontece todos os dias.

As histórias dos moradores das cidades muitas vezes se confundem com as histórias das ruas onde residem. Nelas estão presentes acontecimentos do presente e do passado. O passado ficou registrado nas ruas, através de sua arquitetura e da memória das pessoas que viveram naquele lugar.

O presente se traduz no movimento constante, na história viva do cotidiano, interpretada pelos habitantes ou transeuntes das ruas. Pessoas passam diariamente por ruas de todo o mundo, vão para casa, para o trabalho, seja a pé ou por meio de transportes e deixam registradas suas marcas.

As cidades sempre reservam curiosidades e surpresas, o nome das ruas e bairros é algo tão corriqueiro que muitas vezes não nos perguntamos de onde vem aquele nome, quem atribuiu e de que forma isso foi feito.

Porém é uma importante forma de identificação, comumente utilizada pelos poderes públicos, por empresas e cidadãos. Sem os nomes seria quase impossível situar-se ou locomover-se em uma cidade, para entender isto basta viver nas grandes metrópoles ou simplesmente chegar em uma cidade diferente da nossa.

No caso da cidade de Madrid a Junta de Distrito propõe a Concejalía de Cultura uma lista de possíveis nomes e é na Junta de Gobierno onde concretiza-se o “batizado”. As primeiras iniciativas, que chegam a Junta de Distrito, costumam serem apresentadas por pessoas físicas, normalmente associações de vizinhos ou outros coletivos, que devem fazer uma exposição justificada da proposta.

Várias ruas e bairros têm nomes um tanto quanto peculiares. Há nomes de rua que homenageiam pessoas: personalidades do cenário político, religioso, científico e artístico. Também são atribuídos nomes relacionados a datas ou fatos históricos.

Outro fato comum em algumas cidades é que nas avenidas, que normalmente servem de ligação as rodovias que dão acesso a outras cidades, por exemplo, costumam levar o nome da cidade de destino.

Já os nomes de cidades, estados e países também aparecem com bastante frequência. O conjunto de ruas da cidade de Madrid está composto por aproximadamente 10.000 nomes de ruas, avenidas, bulevares, praças…

Para minha surpresa, ao realizar uma recente mudança para viver novamente na capital espanhola, logo percebi que meu novo bairro fez uma homenagem ao país vizinho, sendo composto de um conjunto de ruas com nomes de cidades portuguesas.

Este pequeno espaço dedicado a Portugal está localizado no distrito de Carabanchel em Madrid, limitado por duas grandes vias: a Avenida de Porto (uma das principais vias do bairro, começa na Praça Elíptica e termina em General Ricardos) e a Vía Lusitana (começa na Praça de Fernández Ladreda, finalizando na Avenida de los Poblados).

Podemos começar o passeio no início de avenida de Porto, onde já encontramos em ordem transversal as ruas: Évora, Viana e Portoalegre. Virando à esquerda e saindo da Av. Porto está o cruzamento da avenidas Bragança e Abrantes, outra importante via que dá acesso às suas transversais: Leiria, Viseu, Aveiro, Estoril (inclusive há uma praça de igual nome), Praça Setúbal, Portoalegre (a mesma que cruza com a Avenida de Porto), Montemor, Cintra, Silves, Elvas.

Logo abaixo e transversais a Vía Lusitana localizam-se a Praça Coimbra e ruas: Buçaco, Castelo Branco, Cascais, Tavira, e finalmente o percurso por meu bairro português termina em Faro.

Durante a caminhada encontrei com um morador antigo, disse-me que a nomeação das ruas se deve a que toda esta área um dia pertenceu a marquesa de Argüeso, de origem portuguesa. Não sei ao certo, pode ser também pelo fato de que em distintos momentos, a Câmara Municipal de Madrid decidiu atribuir uma temática unificada aos nomes de todas as ruas de um mesmo bairro, com o objetivo de fixar mais facilmente na memória.

O certo é que com um simples e rápido passeio percebemos que parte da história e cultura de Portugal está presente em Madrid, viva através de suas ruas. O que nos une ainda mais, tudo sem sair da Espanha.

No plano pessoal, recebi a “surpresa” como um bom sinal para início de uma nova vida. A cada placa que vejo escrito os nomes de cidades portuguesas me parece um retorno simbólico às minhas origens, como se estivesse mais próxima dos meus ancestrais portugueses. Também lembro com saudades de minhas viagens a Portugal, e claro se intensifica a vontade de voltar a viajar a “terrinha” e ir visitar essas localidades que ainda não tive a oportunidade de conhecer.

Ou seja, no que diz respeito aos nomes de ruas, cada um leva consigo um significado íntimo, repleto de carga emocional, que em nada se parecem aos designados pelo poder público.

 

Lorena Luciana Santos

Noticias Relacionadas

Iberismo: utopia o realidad

¿El iberismo tiene como objetivo último unir a Portugal y España en un solo país? Si alguien me lo pregunta, contestaría alto y claro: ¡Claro