Drawing Room: Lisboa reabre as portas ao desenho contemporâneo depois de Madrid

Quinta edição do certame na capital portuguesa terminou no último domingo. A feira regressa a Madrid já em fevereiro de 2023

Comparte el artículo:

Artistas, colecionadores, profissionais e entusiastas do desenho rumaram, entre os dias 26 e 30 de outubro, à Sociedade Nacional de Belas Artes (SNBA) em Lisboa para mais uma edição da Drawing Room. A feira dedicada ao desenho contemporâneo, que também se realiza anualmente em Madrid no mês de fevereiro, voltou a ser o espaço português para a apresentação e comercialização de obras de desenhadores nacionais e internacionais.

Esta quinta edição da feira na capital portuguesa contou, ao todo, com a participação de 23 galerias de arte, em representação de cerca de 70 artistas portugueses e internacionais. Vera Cortês, Filomena Soares, Pedro Cera, Miguel Nabinho, KubikGallery, Presença ou ainda Fonseca Macedo foram algumas das 18 galerias nacionais selecionadas para o encontro, à responsabilidade da espanhola Mónica Álvarez Careaga, diretora da Drawing Room, e do respetivo Comité Consultivo.

A esta representação portuguesa juntou-se ainda a presença de cinco galerias internacionais: a alemã Jahn und Jahn, a galeria Encounter Contemporary – sedeada em Londres – e três espanholas (Galería Siboney, Galería Silvestre e Martínez & Avezuela).

Do país vizinho veio também o Foco da edição, a secção da feira que destaca uma cena artística local a partir de uma breve representação das suas galerias. Santiago de Compostela, o lugar escolhido, fez-se então representar pelas galerias Trinta Arte Contemporánea, Galeria Metro e Luisa Pita, selecionadas pela comissária Asunta Rodríguez.

A par com esta mostra principal, aconteceu também a exposição dos finalistas do Prémio FLAD de Desenho 2022, cujo objetivo é apoiar anualmente a produção e inovação artística em Portugal. A vencedora do galardão da Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento, Maria Capelo, foi dada a conhecer no penúltimo dia da feira e recebeu o prémio pecuniário de 20 mil euros.

A Fundação Millennium BCP, mecenas da Drawing Room Lisboa 2022, e a marca patrocinadora Viarco Portugal também atribuíram prémios durante a feira. Ana Pérez-Quiroga, representada pela NO·NO Gallery, recebeu o III Prémio Projeto Artístico Destacado, e Heron P. Nogueira, representado na feira pela Módulo – Centro Difusor de Arte, recebeu o IV Prémio Aquisição Fundação Millennium BCP – Talento Emergente. Já o Prémio Projeto Curatorial Galeria foi entregue à Fonseca Macedo, galeria portuguesa sediada nos Açores, e António Neves Nobre (Galeria 3+1 Arte Contemporânea) recebeu o V Prémio Novo Talento Desenho.

Houve ainda espaço no evento para uma secção editorial com livros de artista e edições em múltiplos e catálogos, no primeiro andar da SNBA, e uma série de conversas com foco no desenho, organizadas por Maria do Mar Fazenda: as Millennium Art Talks. Emília Ferreira, diretora do Museu Nacional de Arte Contemporânea – Museu do Chiado, o curador Nuno Faria e os artistas Cristina Robalo e Rui Sanches foram alguns dos oradores das conferências.

 

Uma feira ibérica que celebra o desenho contemporâneo

Mónica Álvarez Careaga, diretora da Drawing Room, é uma das mentoras deste certame que cruza Portugal e Espanha nos caminhos do desenho contemporâneo. Historiadora de arte pela Universidade de Oviedo e museóloga pela École du Louvre, de Paris, o seu trajeto profissional inclui a organização de vários festivais, exposições e feiras de arte contemporânea, para além do trabalho enquanto comissária de arte em exposições individuais e coletivas em Espanha, Portugal, China, Japão, entre outros países.

Em conversa com o EL TRAPEZIO, Careaga explica que a ideia da Drawing Room surgiu da “vontade de vários galeristas de criar uma feira de arte contemporânea” complementar à ARCO em Madrid, “muito cara e de difícil acesso”. “E já que, em Madrid, também existe uma cena artística muito poderosa, com vários eventos, quisemos aproveitar esta sinergia”.

Em 2016, realizou-se então a primeira edição da feira na capital espanhola. “Um êxito, especialmente de crítica”, salienta. O que lhe permitiu “pensar, dois anos depois, em vir para Lisboa e montar aquela que, à data, era a irmã menor da feira de Madrid”.

Hoje, diz, já não é assim; a feira lisboeta conseguiu “ganhar em qualidade, em presença e em importância, contribuindo em muito para a cena artística portuguesa”. No mês de outubro, “as pessoas do mundo das artes visuais – os artistas, os galeristas, os colecionadores – já nos esperam. Esperam o regresso da Drawing Room, nesta sede da Sociedade Nacional das Belas Artes que é maravilhosa, onde nos sentimos muito cómodos e as obras se iluminam”, afirma, sublinhando que esta quinta mostra “é uma edição de aniversário, de celebração pelas feiras já feitas e por aquelas que ainda virão”.

Realizá-la em Lisboa e em Madrid? Não é um mero acaso. “De 2005 a 2011 colaborei com a ARTELisboa, que acontecia na Feira Internacional de Lisboa, por isso já conhecia o mundo artístico português. E por ter sido tão feliz a trabalhar em Portugal, pensei que, depois do êxito da feira em Madrid, em Lisboa seria ainda melhor”.

Daí que a vinda do evento para Portugal tenha sido “mais por questões pessoais do que por estratégia”, diz Careaga. Mas, ainda assim, a diretora acredita na importância desta relação ibérica. “Os artistas portugueses, em geral, interessam muito às coleções e museus espanhóis, e vice-versa”. Ainda que, “apesar deste interesse mútuo”, considere que o interesse pelo lado espanhol seja “um pouco maior”.

“De um modo geral, o conhecimento de Espanha pelos portugueses é maior, mas no mundo do desenho não é assim. Os artistas portugueses têm em Espanha um grande prestígio”, admite. E dá exemplos. “Pedro Cadavez, Pedro Cabrita Reis, ou artistas que já faleceram como Helena Almeida, Lourdes Castro e Paula Rego. Se dizes esses nomes em Espanha, há reverência pelo seu trabalho”.

Por isso, a curadora continua a apostar neste projeto, que voltará e a Lisboa e à SNBA, “em princípio, por volta da segunda quinzena de outubro” do próximo ano. Em Madrid, a oitava edição realiza-se já em fevereiro, mas ainda não se sabe o local. A edição deste ano, contudo, teve lugar no Palacio de las Alhajas, entre os dias 23 e 27 de fevereiro.

(Créditos fotos: Iara Duque)

Noticias Relacionadas

Símbolos da JMJ em Sesimbra

Os símbolos da Jornada Mundial da Juventude, que vai acontecer no próximo ano no país, estiveram presentes na Paróquia do Castelo de Sesimbra. A presença