Lisboa, a cidade aberta que partilha os dados dos manifestantes com as Embaixadas

Escândalo pode afectar o percurso político do presidente da Câmara de Lisboa, apontado como o sucessor de António Costa

Comparte el artículo:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Um grupo de manifestantes que organizou uma manifestação em Lisboa a favor de Alexei Navalny (opositor de Putin), acusa a Câmara Municipal de Lisboa de enviar os seus dados pessoais para a Embaixada da Rússia. A Câmara de Lisboa também é acusada de partilhar dados com as Embaixadas de Israel, China e Venezuela apesar das manifestações terem ocorrido a vários quilómetros dos referidos Consulados. Esta lei sobre manifestações, que conta com 5 décadas, irá ser alterada brevemente pelo Governo.

Fernando Medina pediu desculpas em público aos organizadores que viram os seus dados divulgados e garantiu que tal norma (dar os contactos não só a polícia mas também às Embaixadas que são alvo destas manifestações), que já tinha 10 anos, não acontece mais na Autarquia que comanda. O SIS (Serviço de Informação e Segurança) está a avaliar o grau de ameaça que estes activistas, alguns deles a viverem no país com o estatuto de refugiado político, podem ter contra a sua segurança e que estes poderão ter direito a escolta policial. Sobre esta partilha de dados, o presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, considera ser lamentável e espera «que não volte a acontecer».

Este pedido de desculpa aos visados não fez com que os pedidos de demissão diminuíssem e os partidos políticos pretendem que Medina e o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, se apresentem na Assembleia da República para explicarem esta situação. A Comissão Nacional de Protecção de Dados já abriu um processo de averiguação à partilha de dados pessoais dos activistas. Este caso, visto como preocupante pela Amnistia internacional, será levado ao Parlamento europeu.

As eleições autárquicas em Portugal vão acontecer entre os dias 22 de Setembro e 14 de Outubro e Fernando Medina, visto como um dos possíveis sucessores de António Costa na liderança do Partido Socialista, é candidato a um segundo mandato a frente da Câmara Municipal de Lisboa. Em Portugal há 308 municípios (278 no continente, 19 nos Açores e 11 na Madeira), e 3.092 Juntas de Freguesia (2.882 no continente, 156 nos Açores e 54 na Madeira).

Noticias Relacionadas

Deja un comentario