Morreu Jorge Sampaio, o presidente humanista

O antigo chefe de Estado português teve como último ato reforçar as bolsas de estudo para refugiadas afegãs

Comparte el artículo:

Jorge Sampaio, o presidente humanista, morreu após estar internado nos cuidados intensivos desde 27 de Agosto devido a uma insuficiência respiratória. Aos 81 anos, o antigo chefe de Estado perdeu a vida poucos dias depois de ter anunciado o seu último ato público, como alto representante das Nações Unidas para a Aliança das Civilizações, o aumento das bolsas de estudo para refugiadas afegãs que chegassem ao país.

A presidente da Comissão Europeia, Ursula Von der Leyen, recorreu às redes sociais para recordar o “papel crucial” que o antigo estadista teve ao longo das décadas de trabalho público. Já presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, descreveu este dia como “triste para Portugal e para a Europa”. Advogado de profissão, o percurso político de Jorge Branco de Sampaio iniciou-se com as greves estudantis de 1962, que o levaram uns dias a prisão de Caxias.

A atitude do “cenoura”, como o chamavam na escola, fez com que conhece-se Mário Soares e começa-se a defender opositores do Estado Novo. Um pouco depois da fundação do partido socialista, Jorge Sampaio e Ferro Rodrigues (presidente da Assembleia da República) juntaram-se aos pupilos de Mário Soares. Foi junto do advogado Jorge Sampaio que António Costa aprendeu não só o oficio mas também a linha política que coloca o homem e a nação em primeiro plano como no lema “Um por todos, todos por um”, associado aos Três Mosqueteiros.

Para marcar o desaparecimento físico de Sampaio haverá três dias de luto nacional. O trabalho contra o fascismo e em prol da democracia tem sido lembrado por todos os que evocam a memória do antigo chefe de Estado português, que ocupou a presidência da república de 1996 a 2006. Vários candidatos autárquicos anunciaram que iam suspender as campanhas nos próximos dias em homenagem. Todas as competições organizadas pela FPF, durante o fim-de-semana, terão um minuto de silêncio.

Sampaio, o homem da “bomba atómica” e dos consensos com as esquerdas

Como estadista, o socialista tinha uma forte presença britânica baseada no parlamentarismo e foi na casa da democracia portuguesa que lançou a “bomba atómica”. Esta ferramenta do presidente da república, que marcou a sua carreira política, fez com que a assembleia da república e o primeiro-ministro da altura, Pedro Santana Lopes (que havia entrado após a saída de Durão Barroso para Bruxelas) fosse retirado do cargo com pouco mais de 6 meses no governo.

Antes de chegar a Belém, Sampaio foi Secretário-Geral do PS e presidente da autarquia lisboeta. Com o destino da capital nas mãos conseguiu criar a geringonça inicial que arrebatou Lisboa a Marcelo Rebelo de Sousa. Esta capacidade de unir as esquerdas e criar consensos entre as esquerdas foi relembrada na mensagem de condolências que o primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, deixou. O atual presidente da república, Marcelo Rebelo de Sousa, descreveu o socialista como «um lutador e a causa da sua luta foi a liberdade e igualdade».

Quando chegou a Belém, onde vai voltar para ser velado (no Museu dos Coches), Jorge Sampaio trabalhou de perto com António Guterres, com quem ajudou a fundar a CPLP. O atual Secretário-Geral da ONU relembra Sampaio como «um amigo querido e um companheiro de luta». Para Guterres, o país acabou de perder um dos seus melhores homens. Jorge Sampaio foi o terceiro presidente eleito após a revolução.

Sampaio, que ao lado da esposa percorreu o país em presidenciais abertas, ficou marcado na história de Barrancos já que foi quem conseguiu conciliar a legalidade com a tradição e foi graças aos seus esforços que tornou possível a realização das touradas com touros de morte (uma das duas únicas localidades que em Portugal assumiram esta modalidade).

Como presidente, a figura internacional de Jorge Sampaio foi escrita devido aos esforços feitos para conseguir que Timor-Leste alcança-se a sua independência. Depois de ter entregado Macau aos chineses, Sampaio marcou presença no primeiro dia de Timor como independente e recebeu em braços, de um dos guerrilheiros, uma bandeira portuguesa que tinha estado escondida na mata durante todo o período de ocupação. Também a nível internacional, Jorge Sampaio foi a voz de comando que travou a participação dos militares portugueses nas invasões do Afeganistão e do Iraque ao lado das forças aliadas, como aconteceu com Espanha.

O Rei de Espanha, Filipe VI, vai estar presente nas cerimónias fúnebres, que vão acontecer domingo e vão ter honras de Estado.

Noticias Relacionadas

Conceptos Iberistas (II)

Hace unos dos años publiqué en EL TRAPEZIO la primera parte de Conceptos Iberistas. El proceso de construcción conceptual del iberismo va ganando en profundidad