Nómadas digitais latinos aproveitam sonho português

Comunidade argentina começa a crescer na Covilhã graças ás novas tecnologias

Comparte el artículo:

Vários países, incluindo Portugal e Espanha, apresentam condições bastante confortáveis para atrair nómadas digitais. Esta forma de trabalho é vista como o futuro. Isto porque permite viver em qualquer parte do mundo enquanto se trabalha. Nos Estados Unidos, muitos começam a olhar para Portugal como a “nova Califórnia” (esta região dos Estados Unidos e do México foi nomeada graças a uma praia que existe em Sesimbra, a menos de 30 quilómetros de Lisboa) e vários eventos estão a ser dinamizados em terras de Tio Sam que apresentam o país lusitano como “o melhor sítio do mundo para se viver”.

Só em Lagos já estão a viver 7 mil nómadas digitais, a grande maioria trabalha com as novas tecnologias e o marketing. O interior do país olha para estes jovens nómadas como uma forma de poder recuperar parte da população que perderam para o litoral do país. Para terem acesso a residência em Portugal, estes trabalhadores tem que apresentar rendimentos e muitos estão a ganhar até 1.500 dólares semanais a trabalharem para grandes multinacionais mas a partir de pequenas cidades, como é o caso da Covilhã.

O centro de inovação empresarial que esta cidade tem já atraiu para esta localidade mais de 40 empreendedores de vários locais do mundo. Esta cidade começa a ter uma vasta comunidade de nómadas digitais, com muitos argentinos a atravessarem o Atlântico e a estabelecerem raízes em Portugal. A Covilhã atrai estes trabalhadores devido ao seu menor custo de vida (comparando com Lisboa ou o Porto), a presença da universidade e a segurança. Poder sair a rua de noite para colocar o lixo no ecoponto ou sair para um bar sem ter de esconder a carteira é algo muito comum para os portugueses, mas é visto por alguns como um tesouro.

Noticias Relacionadas

Conceptos Iberistas (II)

Hace unos dos años publiqué en EL TRAPEZIO la primera parte de Conceptos Iberistas. El proceso de construcción conceptual del iberismo va ganando en profundidad