Países do sul da Europa unem-se contra as alterações climáticas

O secretário-geral da ONU alerta para o aquecimento catastrófico de +2,7 graus até ao fim do século

Comparte el artículo:

Compartir en facebook
Compartir en twitter
Compartir en linkedin
Compartir en whatsapp
Compartir en telegram
Compartir en email

Os países do sul da Europa que são banhados pelo mediterrâneo aprovaram, durante uma Cimeira realizada em Atenas, uma Declaração onde se comprometem a dar uma resposta comum às mudanças climáticas, em especial aos incêndios que tanto flagelam estas nações.

Portugal e Espanha, dois dos países que fazem parte deste grupo comprometem-se a promover conjuntamente a protecção da biodiversidade, a gestão das florestas e dos ecossistemas marinhos, a prevenção dos desastres ecológicos, a organização da protecção civil e a implementação total do Acordo de Paris. Até ao fim do século, o mundo pode ter um aquecimento catastrófico de +2,7 graus e a subida do nível das águas do mar pode levar a que as populações que vivam na zona costeira do norte de Portugal sejam retiradas.

Este ano, com inundações e incêndios extremos, o aquecimento da água no Atlântico teve feito que tubarões, orcas e baleias se aproximem cada vez mais das praias. Com o período balnear a terminar, vários grupos ambientalistas e a sociedade civil têm-se organizado para limpar o mar e as praias e retirar destes locais, grandes riquezas do sul da Europa, toneladas de lixo. No Pólo Sul, o buraco na camada de ozono já é maior que a Antárctida.

A seis semanas da Conferência das Nações Unidas sobre as Alterações Climáticas e com os líderes mundiais presentes em Nova Iorque para a reunião geral da organização, António Guterres alerta (mais uma vez) que a pandemia tem acelerado as alterações climáticas e que são necessárias mudanças rápidas para reverter esta situação.

Noticias Relacionadas