Espanhol Português

Semana de Aceleração da Mulher de La Barcelona (BWAW), organizado pela Consorci da Zona Franca de Barcelona (CZFB) e pela Fundação Incyde das Câmaras de Comércio, concluiu hoje a sua primeira edição na qual se posicionou como um evento de referência para promover ativamente a igualdade de género na área empresarial e que também contribui para tornar Barcelona visível como cidade-chave para o desenvolvimento da nova economia. , mais sustentável e com padrões mais elevados em termos de paridade de género. Nesta linha, o CZFB confirmou que haverá uma segunda edição a realizar de 2 a 4 de março de 2022.

BWAW realizou hoje o evento de encerramento presidido por Jaume Collboni, o primeiro tenente presidente da Câmara Municipal de Barcelona, acompanhado por Pere Navarro, Delegado Especial do Estado ao CZFB, Blanca Sorigué, Diretor-geral do CZFB, José Luis Bonet, presidente da Fundación Incyde e da Câmara de Comércio Espanhola, e Verónica Ollé, secretário-geral da RTVE.

Collboni queria salientar que “é evidente que, sobretudo, as carreiras técnicas ou a indústria tecnológica e digital, em que Barcelona quer ser uma referência, há desigualdades significativas. A igualdade entre homens e mulheres é um requisito fundamental e não apreciar o talento feminino é dispendioso e cada vez mais empresas estão cientes disso. De todas as pessoas que trabalham hoje na área tecnológica na cidade apenas 8% são mulheres, pelo que é importante para a colaboração público-privada que nos permita aproveitar o potencial de todos os talentos que temos na cidade, de diferentes géneros, idades e proveniência”.

Na mesma linha, Navarro tem insistido que “A economia não pode passar sem o talento feminino, e as mulheres podem trazer uma visão diferente para a gestão empresarial para que, entre todos, possamos adicionar mais” e tem apreciado a “colaboração de todos os oradores, parceiros e participantes do evento que já fizeram da BWAW um espaço para partilhar experiências e propor ações e iniciativas que nos acompanham neste caminho para eliminar barreiras e promover a igualdade de género”.

Por seu lado, Bonet notou que “a crise trouxe-nos muitos problemas, mas também muitas aprendizagens. Temos diante de nós uma grande oportunidade de transformar a nossa sociedade. E nesse processo de mudança e renovação, as mulheres têm de desempenhar um papel de liderança. A resiliência e a empatia são duas qualidades associadas às mulheres e são agora de vital importância para a reconstrução económica e social que enfrentamos após a pandemia”.

De acordo com Ollé“O papel de um meio de comunicação social nesta matéria é essencial e nós, enquanto rádio pública, colocamos todos os meios à nossa disposição para dar visibilidade à igualdade de género. Do Instituto RTVE desenvolvemos um guia para a igualdade como uma ferramenta para abordar conteúdos relacionados com as mulheres para escapar a estereótipos e abordar situações de desigualdade com o objetivo de transcender a mensagem”.

ESTUDO DA IGUALDADE DE GÉNERO NO POLÍGONO DA ZONA FRANCA DE BARCELONA

No âmbito do evento, a Consorci da Zona Franca de Barcelona apresentou um estudo realizado em conjunto com o GESOP com o objetivo de analisar a situação das empresas do Polígono da Zona Franca de Barcelona no domínio da igualdade de género.

Sublinha que 74% dos trabalhadores são homens contra 26% das mulheres. No entanto, há um maior número de mulheres com formação universitária, 31% contra 26% dos homens, embora em cargos de gestão o género masculino continue a dominar. Neste sentido, do número total de trabalhadores nesta área industrial, 18% são homens em cargos de liderança, enquanto a gestão das mulheres está limitada a 12%. Além disso, a única área em que o género feminino predomina nas empresas de poligágono é entre os funcionários administrativos.

Em termos de horas de trabalho, a percentagem de mulheres a trabalhar a tempo parcial (9,4%) duplica o macho (5,7%). Os homens, por seu lado, realizam turnos mais variáveis e noturnos.

Embora 93% das empresas afirmam estar bem ou bastante comprometidas com a igualdade de género, menos de metade tem um plano para a igualdade e apenas um terço tem um protocolo de prevenção do assédio sexual mais comum entre as grandes empresas.

MULHERES ANTES DA DÉCADA PARA A AÇÃO

Nas últimas sessões do evento, a BChange reuniu Maria Peña, CEO da ICEX, Clara Arpa, Presidente do Pacto Global das Nações Unidas para Espanha, Riera Imaculada, Diretor-geral da Câmara de Comércio Espanhola e Vice-Presidente da Fundación Incyde, e Jorge Brown, Vice-Presidente da Fundação de Liderança Avançada, com Pere Buhigas, diretor da RTVE Catalunha como moderador a abordar Mulheres no Rosto da Década para a Ação.

Durante a sessão, Clara Arpa referiu que “desdeo Pacto Global das Nações Unidas acabamos de apresentar a estratégia 2021-2023 em que damos especial prioridade à perspetiva económica social e ambiental“. Arpa também notou que “os jovens ainda não pensam na chave da sustentabilidade. É hora de consumir e produzir de forma sustentável.”

Por outro lado, na vertical BSocial, Miguel Lorente,professor deMedicina Legal e assessor do Vice-Chanceler para a Igualdade, Inclusão e Desenvolvimento Sustentável da Universidade de Granada, explicou que ” encontramos barreiras ideológicas que evoluíram ao longo do tempo, mas que mantiveram a desigualdade e a exclusão. É importante trabalhar na educação e na sensibilização, bem como desenvolver uma visão crítica menos permissiva e baseada na informação para combater o ataque que as políticas de igualdade estão atualmente a sofrer” .

Por seu lado, Magdalena Valerio,antiga ministra do Trabalho e Presidente da Comissão do Pacto de Toledo do Congresso dos Deputados, sublinhou que é essencial começar por alcançar a corresponsabilidade no domínio interno, uma vez que as mulheres continuam a assumir uma elevada percentagem de tarefas domésticas, o que é uma sobrecarga e tem consequências muito importantes na nossa carreira profissional. Para alcançar a igualdade no mercado de trabalho, precisamos de um compromisso público-privado para avançar e não recuar em contextos de crise como o atual“.

A mesa redonda no Liderança feminina nas administrações reuniu as mulheres em importantes posições de gestão de infraestruturas, como o Diretor-geral do CZFB, Blanca Sorigué, o presidente do Porto de Barcelona, Merco Conesa, diretor do Aeroporto josep Tarradellas Barcelona – El Prat, e Esther Mateo, Diretor-Geral de Segurança de Processos e Sistemas Corporativos na ADIF.

Neste contexto, Sorigué destacou “a importância do desaparecimento dos tetos de vidro para que a percentagem de mulheres presentes no conselho de administração das grandes empresas continue a aumentar. Neste sentido, a partir do CZFB estamos totalmente comprometidos com os ODS das Nações Unidas e incorporamo-los na nossa abordagem estratégica.

Por seu lado, Conesa tem insistido em a importância de quebrar o teto de vidro e ganhar o respeito da equipa ao lidar com posições de gestão.” “O mundo globalizado requer territórios que possam prestar múltiplos serviços e a área de Barcelona tem um hub muito poderoso com o porto, aeroporto, zona franca e a ligação fornecida pela Adif. Estamos perante uma aliança estratégica que devemos valorizar“,conclui-se.

PERFIL DOS PARTICIPANTES

Nesta primeira edição da BWAW mais de 2.200 pessoas de toda a Espanha participaram praticamente, das quais 70% foram mulheres e 30% homens, alcançando assim o objetivo do CZFB de alcançar uma ampla audiência e com representação de ambos os sexos. Além disso, a faixa etária predominante entre os seguidores da BWAW (51%) Tem 26 a 45 anos.

Todas as sessões do evento foram transmitidas a partir dos rts da RTVE Catalunya em Sant Cugat del Valles e RTVE madrid e têm sido capazes de seguir a partir do site da BWAW. Assim, a CZFB e a Fundação Incyde, em colaboração com a Consell de la Dona de la Zona Franca, criaram um evento de referência para promover a interação para promover soluções e projetos que gerem progressos na igualdade de género.

A primeira edição da BWAW tem parceria com o CaixaBank, o Observatório das Mulheres, Negócios e Economia da Câmara de Comércio e Mulher de Barcelona.