Centro de Estudos Ibéricos evoca Eduardo Lourenço

Vinte anos de existência sob a "batuta" do ensaísta português recentemente falecido

Comparte el artículo:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Dias após a partida de Eduardo Lourenço, ensaísta e filoso português, o Centro de Estudos Ibéricos realizou um Webinar para comemorar os 20 anos de existência do local. No dia 4 de Dezembro, o director honorário, patrono e mentor deste projecto, que estuda o que de melhor se faz nos dois lados da fronteira, foi relembrado com intervenções focadas num pensamento que não era focado apenas em Portugal mas também na Europa e na raiz hispânica que compartilhamos com o vizinho peninsular.

O Centro de Estudos Ibéricos (CEI), que tem sede na Guarda e foi criada em conjunto pelas Universidades de Coimbra e de Salamanca, relembrou “a memória de um intérprete maior da cultura ibérica e universal que marcou o século XX português”, como pode ser lido na nota de pesar escrita por Alexandra Isidro, coordenadora da CEI.

Para além deste Webinar, o Centro de Estudos Ibéricos lançou o 16° número da revista “Iberografias”, dedicado a Eduardo Lourenço e ao trabalho que o CEI realizou durante o ano de 2020.

Quem foi Eduardo Lourenço?

Eduardo Lourenço nasceu na Beira, em São Pedro de Rio Seco (junto da fronteira com Espanha), em 1923, e em quase um século de vida, como referiu o presidente da república, desenvolveu o seu trabalho na busca insensato sobre o que é Portugal, questão que é respondida em 40 títulos. Em 2019, a portuense Livraria Lello criou o Prémio Livraria Lello – Eduardo Lourenço. Com uma vida dividida entre terras lusas, o Brasil, a Alemanha e a França, o filósofo português, que também era professor universitário, foi distinguido com os maiores prémios.

Noticias Relacionadas

Como chegámos a uma «Tempestade Perfeita»?

O que é uma «Tempestade Perfeita»? Normalmente quando utilizamos esta expressão estamos a descrever um fenómeno meteorológico que foi criado graças a confluência de vários

Deixe um comentário