O TRAPÉZIO vai assistir a apresentação do projecto “Destino Frontera: 2 países, 1 destino”

Este evento, que contará con expertos en turismo, está organizado por la Eurociudad Chaves-Verín

Comparte el artículo:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

A eurocidade Chaves-Verín vai organizar nos dias 6 e 7 de Março as jornadas de “difusão ibérica” do projecto “Dois países, um destino”, que pretende revalorizar a fronteira luso-espanhola como um destino turístico. Durante dois dias, empresários, agentes sociais e técnicos de turismo da administração dos dois países vão debater sobre os temas que afectam o território raiano.

No dia 6 vai intervir Raúl Castro, consultor em projectos de eficácia energética, que vai dar um diagnóstico e apresentar um plano estratégico para o turismo fronteiriço. No segundo painel, Francisco Pombo vai explicar as chaves da comercialização de produtos turísticos fronteiriços. Pablo Rivera, director-executivo da “Eurocidade da água”, falará sobre as boas práticas na construção do destino Chaves-Verín. Também vai intervir Sérgio Lorja, em nome da Confederação de Empresários do Centro de Portugal (CEC), que vai expor os trabalhos feitos de monitorização do destino de fronteira Chaves-Verín.

A 7 de Março vai organizar-se o “fam trip” “Camino del Contrabando”, que vai contar com o especialista em marketing e turismo experiencial Jose Cantero. Este genuino produto turístico da fronteira ibérica foi criada pela Asociación Cultural de Vilarelho da Raia. Esta actividade será dirigida a influenciadores digitais, imprensa especializada, profissionais de turismo, sócios do projecto e empresários do sector.

“Destino Fronteira” tem como principal objectivo implementar uma estratégia de desenvolvimento turístico da fronteira hispano-lusa como um destino único, integrado, estruturado e baseado tanto nos recursos endógenos partilhados como na especialização de uma oferta inteligente e específica. Este projecto, que foi aprovado pelo programa Interreg com a ajuda do Feder, também pretende reduzir os custos do contexto, as desigualdades territoriais e promover o desenvolvimento sustentável das regiões fronteiriças.

Entre os objectivos concretos desta estratégia está “o desenho de cursos de formação sobre o turismo de fronteira para os diferentes públicos-alvo (como os profissionais do sector, empresas e instituições públicas), a produção de ferramentas próprias para o segmento do turismo de fronteira e a criação de uma marca própria que traga valor e certifique a qualidade dos produtos turísticos de fronteira”, é o que pode ser lido na página web deste projecto.

Noticias Relacionadas

Como chegámos a uma «Tempestade Perfeita»?

O que é uma «Tempestade Perfeita»? Normalmente quando utilizamos esta expressão estamos a descrever um fenómeno meteorológico que foi criado graças a confluência de vários

Deixe um comentário