Espanhol Português

O presidente do Governo de Espanha, Pedro Sánchez, começa esta quarta-feira uma viagem a Angola, a primeira de um chefe do Executivo espanhol em quase 30 anos, com o objetivo de promover a colaboração bilateral e a presença de empresas num país considerado de enorme potencial.

A ida a Angola está dentro da viagem por África que Sánchez protagoniza até sexta-feira, 9 de abril, que o vai levar também ao Senegal, juntamente com um grupo de empresários, exemplo da transcendência que se confere ao elemento económico, comercial e de investimento. O presidente do Governo espanhol vai-se reunir com o presidente angolano, João Lourenço, artífice do programa de diversificação da economia do seu país para que não dependa exclusivamente do petróleo, com quem vai analisar os vários tipos de relações bilaterais e, em concreto, a presença empresarial espanhola no país.

O petróleo representa 50% do PIB angolano, 95% das exportações e 80% das receitas públicas. As empresas espanholas com experiência internacional esperam poder participar mais em áreas como o transporte, infraestruturas, engenharia ou energia, depois de Angola ter mostrado o seu interesse em que algumas empresas estivessem presentes no seu programa de diversificação e Lourenço ter mencionado expressamente Espanha na sua tomada de posse em 2017 como um dos países prioritários na sua ação diplomática.

Por sua vez, Espanha incluiu Angola entre as nações prioritárias no plano Foco África 2023, que tem como alvo o reforço da colaboração bilateral com o continente. Sánchez vai inaugurar esta quinta-feira, durante a sua estadia em Luanda, uma cimeira de empresários espanhóis e angolanos e visitar uma subestação elétrica da empresa Elecnor, que desenvolve a sua atividade nos sectores das infraestruturas, energias renováveis e novas tecnologias e está presente em Angola há mais de 30 anos.

Espanha também destaca o peso ganho por Angola na África Subsaariana, onde se tornou num ator de referência e com capacidade para influenciar conflitos em áreas como o Golfo da Guiné, onde a pirataria aumentou, pelo que deseja reforçar a cooperação para promover a segurança marítima. Pedro Sánchez e João Lourenço abordarão estas questões na sua reunião oficial, para além de assinarem vários acordos e memorandos de entendimento em áreas como os transportes aéreos, pescas, agricultura e indústria.

A agenda de Sánchez inclui também uma visita à escola salesiana Dom Bosco, dirigida por um missionário espanhol e especializada na alfabetização e cuidados a menores em risco de exclusão, promovida com fundos de cooperação espanhola.