Espanhol Português

Tomiño realizou a primeira reunião de trabalho do Agrupamento Europeu de Cooperação Territorial (AECT) da Eurorregião. Este encontro serviu para avaliar a situação criada pelo fechamento de três meses da fronteira entre a Galiza e Portugal e projectar um plano de reactivação que permita enfrentar esta situação.

A reunião contou com a presença de representantes do AECT Miño, que abrange um território transfronteiriço composto por 26 municípios (16 do sul de Pontevedra) e as 10 câmaras do norte de Portugal e representantes da Eurocidade Tomiño-Cerveira.

Este encontro concentrou-se no objectivo de lançar as bases necessárias para o “Plano para a promoção da cooperação dos passageiros na fronteira Galiza-Norte de Portugal”. Este documento vai incluir uma série de propostas com uma pretensão dupla. Por um lado, que a Eurorregião Galiza-Norte de Portugal consiga enfrentar os desafios decorrentes da pandemia, especialmente os decorrentes da desaceleração da actividade económica e de fecho de fronteira, analisando possíveis fontes de financiamento europeu e estatal para concluir esse objectivo e, para além de preparar a área para que, num futuro hipotético, numa situação semelhante consiga evitar outro fechamento de fronteira com repercussões sociais e económicas negativas.

O rascunho deste plano foi enviado aos diferentes actores envolventes na cooperação entre a Galiza e o Norte de Portugal. Desta forma, a reunião realizada vai inaugurar uma série de contactos que pretendem estudar de uma forma conjunta um conjunto de considerações técnicas para as integrar neste futuro documento.

A Comunidade de Trabalho Galiza-Norte de Portugal impulsiona a cooperação de proximidade, que é aquela que trata de reforçar aquelas políticas e instrumentos de cooperação que tem por objectivo de melhorar as condições e a qualidade de vida dos cidadãos da zona de fronteira. Esta actividade promove-se através de instituições novas como o Agrupamento Europeu de Cooperação Territorial (AECT) e as Eurocidades.

A principal razão de existência das Eurocidades é de compartilhar as infraestruturas dos seus serviços com a consequente economia de custos. Existem quatro Eurocidades na linha e já totalmente integradas à Comunidade do Trabalho. Estas são as seguintes: Cerveira-Tomiño, Salvaterra-Monção, Tui-Valença e Chaves-Verín. Todos elas contam com o apoio activo do Agrupamento Europeu de Cooperação Territorial Galiza-Norte de Portugal (PNB-AECT), para encontrar financiamento adequado e necessário para realizar um grande número de actividades de natureza económica, cultural e desportiva, o que reforça e consolida o cooperação transfronteiriça.

No geral, todos os actores da cooperação transfronteiriça trabalham para melhorar a capacidade institucional por meio de uma cooperação conjunta com o objectivo de promover a colaboração e a actividade económica, sempre tendo em vista a qualidade de vida dos cidadãos do território. Nesse sentido, busca-se uma gestão mais eficiente da administração pública local, evitando duplicações desnecessárias, compartilhando recursos e soluções para problemas comuns. Também promove o uso compartilhado de equipamentos públicos e valoriza os pontos fortes e as complementaridades das vilas e cidades da Eurorregião.