O Dia Mundial da Língua Portuguesa enalteceu o idioma de Camões

A Organização de Estados Ibero-Americanos (OEI) lança um programa inovador que visa promover a cooperação entre línguas

Comparte el artículo:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Nos cinco continentes, 260 milhões de pessoas falam português, o idioma mais falado no sul do hemisfério e que tem ganhado novos estudantes nas diversas latitudes. É em português que se lê Camões, Mia Couto ou Paulo Coelho, alguns dos autores mais vendidos e chamativos de uma lusofonia que não é só solidária mas também um atractivo económico para quem a domina. O português também é a língua do ensino, da ciência e dos abraços. Mesmo dispersa geograficamente, a diversidade cultural do mundo lusófono é unida graças a um idioma que «une, nunca separa», como defende o primeiro-ministro António Costa.

Se os nove países que fazem parte da Comunidade de Países de Língua Oficial Portuguesa se unissem esta seria a sexta economia do mundo (com ganhos de 2,7 bilhões de euros) e no meio digital esta é a terceira ou quarta mais utilizada nas redes sociais.

O português é a quarta língua do mundo, quando referimos idiomas maternos, mais falada e até 2100 o seu número de praticantes deve dobrar (até aos 500 milhões) graças ao crescimento das populações de Angola, Moçambique, Brasil e do ensino do português que está a ser feito na China (5 mil alunos estão a aprender em 47 universidades diferentes). Em Espanha, especialmente nas regiões de fronteira, 55 mil alunos estão a aprender português, tanto no ensino básico como no secundário.

Sobre este Dia Mundial da Língua Portuguesa, distinção única da UNESCO, o embaixador João Ribeiro de Almeida, do instituto Camões, refere que o português é «Uma língua do mundo para o mundo». Já o presidente da república, Marcelo Rebelo de Sousa, defende a língua portuguesa como um idioma solidário e repleto de sotaques. Estas declarações foram dadas durante uma aula na Escola Secundária Carolina Michaelis, no Porto.

OEI LANÇA “ATELIER POÉTICO: RESIDÊNCIAS (VIRTUAIS) EM MOVIMENTO”

A Organização dos Estados Ibero-americanos para a Educação, a Ciência e a Cultura (OEI) no quadro da sua Direção-Geral de Bilinguismo e Difusão da Língua Portuguesa quer contribuir para a construção de um espaço de cooperação ibero-americano, favorecendo o intercâmbio e a mobilidade internacional entre poetas de países de línguas espanhola e portuguesa.

Lançado no Dia Mundial da Língua Portuguesa, este “Atelier Poético” tem como objetivo promover a cooperação na educação, ciência e cultura e reforçar o valor do espanhol e do português, línguas oficiais da OEI, como base para o diálogo e veículos de criação na região ibero-americana, bem como destacar o valor da criatividade e diversidade cultural como direitos inalienáveis dos povos.

Assim, é lançado este ano o primeiro “Atelier Poético: residências (virtuais) em movimento” para apoiar os poetas que queiram deslocar virtualmente o seu atelier para outro lugar no espaço ibero-americano, onde possam interagir e criar, num ambiente social, cultural e linguístico distinto.

Trata-se de um programa piloto, inovador, que visa promover a interculturalidade, num momento muito difícil para o setor da cultura por causa da pandemia causada pelo novo coronavírus. Concebida para ser vivida no terreno, esta iniciativa, tal como inúmeros eventos e ações culturais, foi obrigada a adaptar-se aos suportes online. Assim, em 2021 o Atelier Poético decorre, por força das circunstâncias, em formato virtual, lançando as sementes da partilha criativa por poetas que se expressam nas duas línguas.

Nesta primeira edição, a OEI convida poetas de países de língua portuguesa a mudarem virtualmente e temporariamente o seu atelier para países de língua espanhola e, de forma complementar, poetas de países de língua espanhola que desejem mudar virtualmente o seu atelier para países ibero-americanos de língua portuguesa.

O atelier poético pretende ser uma experiência de criação e encontro colaborativo entre línguas, que será alimentada por uma campanha de comunicação, na internet e redes sociais, na qual os processos e resultados serão partilhados nos países ibero-americanos participantes através do nome: #atelierpoetico.

Nesta edição de estreia, a iniciativa tem como tema para a criação poética o valor da palavra, da linguagem, da comunicação nas sociedades contemporâneas, podendo os candidatos estar ligados a qualquer forma de expressão poética e em qualquer meio: texto, palavra falada, poesia visual, áudio lírico, ações poéticas, slam, rap ou outras manifestações.

As candidaturas decorrem entre o dia 5 de maio e 15 de setembro de 2021.

Noticias Relacionadas

Como chegámos a uma «Tempestade Perfeita»?

O que é uma «Tempestade Perfeita»? Normalmente quando utilizamos esta expressão estamos a descrever um fenómeno meteorológico que foi criado graças a confluência de vários

Deixe um comentário