O rei pede para superar o desânimo perante a crise e ignora o caso do seu pai

Filipe VI reivindicou-se como um rei que é "com todos e para todos"

Comparte el artículo:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Filipe VI exortou os espanhóis a empreenderem um “grande esforço nacional” para superar “o desânimo e a desconfiança” gerado pela pandemia e regressar da crise económica, num discurso de Natal em que pôs de lado a questão do rei Juan Carlos.

No meio da antecipação gerada pela sua mensagem televisiva para o que poderia dizer sobre o seu pai, o rei centrou a maior parte do discurso do Palácio da Zarzuela na esperança insuportável do público para enfrentar a recuperação com “esforço, unidade e solidariedade, com todos e para todos”.

“Nem o vírus nem a crise económica nos vão dobrar”, proclamou o monarca, que acrescentou: “Não somos um povo que se rende ou se demite em tempos maus”.

Apesar de admitir que a situação é “grave”, que as circunstâncias são “verdadeiramente excecionais” e que “não será fácil” a reconstrução, tem sido “convencido” de que Espanha terá sucesso porque já foi capaz de ultrapassar situações semelhantes nas últimas décadas.

O ano que termina agora tem sido “muito difícil e difícil”, segundo Filipe VI, pelo que considerou compreensível que o “desânimo ou desconfiança” esteja muito presente em muitas famílias, sobretudo quando há “um vazio impossível” para quem morreu, perto dos 50 mil, segundo o Ministério da Saúde. No entanto, argumentou que a saída “não pode vir da mão de mais desânimo ou mais desconfiança”.

“Temos de encarar o futuro com determinação e segurança em nós mesmos, naquilo que somos capazes de fazer em conjunto, com encorajamento e esperança, com confiança no nosso país e no nosso modelo de convivência. Temos razões para isso”, disse Don Felipe.

Perante os desafios “enormes, mas não insaláveis” que o país enfrenta, estabeleceu como objetivo empreender “um grande esforço nacional e coletivo” que “deve unir tudo”, apoiado pela “sociedade forte e um estado sólido”.

A chegada da vacina representa uma “grande esperança”, mas o chefe de Estado tem exigido que os cidadãos permaneçam “impedidos e não deixem cair a guarda” uma vez que a responsabilidade individual é “essencial”.

Para que a crise económica não conduza a outra social, o rei tem defendido a colocação de pessoas e famílias no centro, em particular os jovens, uma vez que “Espanha não pode pagar uma geração perdida”.

Apelou ainda ao apoio às empresas, aos trabalhadores independentes e aos comerciantes, aos sectores mais castigados, para consolidarem as bases que definem um horizonte de “estabilidade e confiança económica”.

A sua preocupação com a pandemia deixou para trás a breve referência implícita que fez à situação do seu pai, investigada pelo Ministério Público do Supremo Tribunal pelo seu alegado negócio escondido no estrangeiro, o que o levou a mudar-se para os Emirados Árabes Unidos no início de agosto.

A monarca sublinhou que “os princípios morais e éticos” que os cidadãos exigem na condução dos seus representantes públicos “forçam todos sem exceção” e estão “acima de qualquer consideração, seja qual for a natureza, mesmo de representantes pessoais ou familiares”.

“Sempre entendi isso, em teoria com as minhas convicções, com a forma como entendo as minhas responsabilidades como chefe de Estado e com o espírito renovador que inspira o meu reinado desde o primeiro dia”, disse Filipe para diferenciar o seu tempo do seu pai.

A mensagem foi também precedida pelas críticas à Coroa do Unidas Podemos e ao segundo vice-presidente, Pablo Iglesias.

Filipe VI reivindicou-se como um rei que é “com todos e para todos”. “Não só porque é o meu dever e a minha convicção, mas também porque é o meu compromisso com todos vós, com Espanha”, argumentou na sua mensagem de Natal do Salão de Audiencias de la Zarzuela.

Num ano marcado por confrontos políticos e polarização, defendeu o diálogo como forma de alcançar pactos e a Constituição como quadro de coexistência que “todos devem respeitar”. O objetivo deve ser, acrescentou, “olhar em conjunto para o futuro, unidos nos valores democráticos, num espírito sempre inclusivo e no respeito pela pluralidade e diferenças”.

No reconhecimento da capacidade de combate e resistência demonstrada durante a pandemia, o monarca elogiou os trabalhadores sanitários pelo seu “enorme esforço, extraordinário profissionalismo e grande humanidade com os doentes”, bem como pela avaliação da entrega das Forças Armadas, das forças de segurança e das equipas de emergência.

Do mesmo modo, destacou o papel da União Europeia no seu compromisso “firme” com a recuperação económica e a sustentabilidade com o plano de ajuda à reconstrução, do qual a Espanha receberá cerca de 72 mil milhões de euros nos próximos três anos.

“Não será difícil para 2021 melhorar este 2020. Vamos recuperar a normalidade o máximo possível”, encorajou no final do seu discurso, o conjunto do qual teve uma foto do rei com a princesa Leonor na homenagem às vítimas da covid-no dia 19 de julho passado.

Noticias Relacionadas

Como chegámos a uma «Tempestade Perfeita»?

O que é uma «Tempestade Perfeita»? Normalmente quando utilizamos esta expressão estamos a descrever um fenómeno meteorológico que foi criado graças a confluência de vários

Deixe um comentário