Espanhol Português

Pablo Castro Abad, presidente da Associação Plataforma Ibérica, esteve em Zamora para realizar um encontro com os coletivos zamoranos que lutam pela sua terra, na perspetiva de unir forças em diferentes exigências. Entre os presentes no primeiro encontro estavam Ana Morillo e Marcos Rodríguez, da Associação Viriatos. Castro, que também é editor-adjunto do TRAPÉZIO, foi entrevistado por El Día de Zamora. Entrevista que reproduzimos:

Quais são os objetivos da Associação Plataforma Ibérica?

Cooperar com Portugal e promover as políticas que coadjuvem com o país vizinho, que há muitas. Tentamos proporcionar uma visão social. Queremos dar esta visão civil, especialmente importante entre Espanha e Portugal que partilham 1200 quilómetros de fronteira e uma cidadania muito interligada, casamentos, famílias, empresas.

Procuramos cooperação, mas somos reivindicativos. Por exemplo, no que se refere ao cumprimento dos acordos lançados nas cimeiras ibéricas, que, aliás, deveriam ter uma periodicidade anual. Estão acordadas ações, que constam do Memorando de cada Cimeira, que se repete, e vemos o mesmo acordo repetido durante vários anos, porque não há memória económica e parece que também não há uma vontade clara a implementar. Estas são meras “posturas”, como se diz agora.

Que exemplos específicos de reivindicações pode mencionar?

Agora venho da Universidade de Covilhã, que fica relativamente próxima de Zamora, aproximadamente duas horas de distância, onde há uma licenciatura em estudos portugueses e espanhóis. Os estudantes que se formam lá têm enormes dificuldades em conseguir validação em Espanha. Há algumas declarações de Costa em 2015, a denunciar o que acabei de dizer agora. Já passaram cinco anos e tudo continua igual. Reivindicamos também aspetos culturais, o tema da língua, com um conceito que alguns académicos lançaram, o da iberofonia, que engloba o mundo que fala espanhol ou português. Algo importante, que por vezes é esquecido, a importância de estar em conjunto o português ou o espanhol, as únicas duas línguas próximas e universais. Se aprendermos a língua do vizinho, já temos 800 milhões para comunicar. É um potencial que é esquecido ou não tomado em consideração.

Além disso, tratar de que Espanha e Portugal se coordenarem a nível internacional o melhor possível e cada vez mais. Dizemos que nos declaramos herdeiros do iberismo histórico, que tem de Pessoa a Unamuno uma razão para ser; não é uma invenção moderna. Mas estamos a promover um iberismo atual do século XXI, no âmbito da União Europeia. Acreditamos, portanto, que Espanha e Portugal precisam de ser coordenados ao máximo, na sua posição europeia. Por exemplo, no que se tem confrontado com a crise, foi claramente visualizado, uma vez que os nossos países e os seus interesses foram ignorados face aos do Norte. É verdade, no papel, que os governos dizem se coordenarem, mas na prática não há instrumentos. As políticas entre Espanha e Portugal ocupam sempre um segundo, um terço ou um quarto lugar plano, por exemplo, no acordo de governação entre PSOE e Unidas Podemos, a ligação ibérica não é mencionada uma única vez, mas o elo europeu aparece sempre. Pergunte a Costa ou Sánchez e eles dar-lhe-ão a razão de que esta união de interesses é muito importante. Mas quando é para valer, não a vemos.

Dentro disso somos uma pequena organização, temos participado no impulso de uma questão que merece ser sublinhada: por iniciativa de um empresário catalão, Jaume Reixach, diretor do EL TRIANGLE, uma publicação digital, bilingue, de informação geral é publicada, que é o primeiro do seu tipo. Foi um passo importante na divulgação.

Como pode um senhor de Teruel ou uma senhora de Jaén podem estar interessados no iberismo?

O macro também é importante. É certo que a crise, também nestas províncias, teria sofrido menos agudamente, se pertencêssemos a uma entidade de maior poder económico e social. Vemos o caso da Itália, que não foi intervenida apesar de ter dados económicos piores do que os nossos. A Península unida jogaria na primeira divisão ao lado de países como França ou Alemanha

Com que instituições reuniou-se?

Encontrei-me com o Presidente da Extremadura espanhola, Fernández Vara, que tem nacionalidade portuguesa por ser natural de Olivenza. Declarou-se iberista. Também com o senador do Orense na legislatura anterior, e com um grande especialista no Couto Misto, Luis García Mañá. Mantemos um contacto estreito com o atual presidente da Rede Ibérica de Entidades Transfronteiriças, Pablo Rivera, cobrimos o máximo que pudermos.

A Associação está presente nos dois países?

A Associação está presente nos dois países. Aparecemos em Portugal a 17 de fevereiro de 2017 em Elvas, temos parceiros com um bom grupo de portugueses. Também reuni-me em Covilha com o principal promotor do novo iberismo deste século, Paulo Gonçalves, que criou o Movimento Partido Ibérico em 2012. O contacto com Portugal é diário. Há muitos ativistas. No entanto, de fato, subsistem preconceitos. Em Zamora, estamos agora a tentar formar um agrupamento.

El Dia de Zamora