Portugal e Espanha permitem que as autocaravanas saiam da Península Ibérica

As auto-caravanas de europeus não ibéricos estiveram durante umas horas num limbo jurídico

Comparte el artículo:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Os europeus que viajaram de autocaravana, alguns por turismo e outros para fugir do Coronavirus, vão poder abandonar o território português, atravessar Espanha e regressar ao seu país de origem, garante o ministro da administração interna portuguesa.

Na ponte Internacional do Guadiana, que une o Algarve com a Andaluzia, acumularam-se algumas autocaravanas, que se encontravam num limbo jurídico. Já que não lhes era permitida a entrada em Espanha nem a permanência em Portugal.

No recente acordo de fecho de fronteiras entre Espanha e Portugal não se contemplava a situação destes viajantes. A situação ficou resolvida após uma conversa entre ambos os ministros ibéricos do interior.

“Os cidadãos europeus em trânsito, comprovando-se o seu regresso aos países de origem, poderão passar nas fronteiras entre Portugal e Espanha e na de Espanha com França”, afirmou o ministro da administração interna portuguesa, em declarações ao Jornal de Notícias.

Durante a última semana, o primeiro-ministro português, António Costa recebeu pressões de vários presidentes de câmara para restabelecer a fronteira da Raia depois de terem sido detectadas várias autocaravanas com matrículas europeias mas não ibéricas na região do Alentejo (que conta com apenas dois casos positivos de Coronavirus).

Outro caso que levantou polémica na semana passada foi o 1.800 passageiros de um cruzeiro brasileiro que fizeram uma escala que, não estava prevista, no Porto de Cádis (Espanha), acabando por entrar em terra a partir do aeroporto de Lisboa. Isto para tentar escapar da proibição de desembarque em território português devido a crise do Coronavirus.

Noticias Relacionadas

Como chegámos a uma «Tempestade Perfeita»?

O que é uma «Tempestade Perfeita»? Normalmente quando utilizamos esta expressão estamos a descrever um fenómeno meteorológico que foi criado graças a confluência de vários

Deixe um comentário