Uma bitola que nos separa

Portugal corre o risco de virar uma «ilha» ferroviária

Comparte el artículo:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

A bitola Ibérica, que é usada em Portugal e Espanha e tem um espaçamento de carris de 1.668 mm, muito maior que a usada nos restantes países europeus (cerca de 23 centímetros), está a dividir opiniões depois de o governo ter decidido manter a ferrovia nacional como está. Segundo o executivo liderado por António Costa, uma mudança desta envergadura seria muito dispendiosa e não teria retorno pois apenas 6% das exportações usam esta via. As formas de transporte de mercadorias mais utilizadas são a rodoviária e a marítima.

Uma das explicações usadas para esta decisão é que existe tecnologia capaz de ligar as linhas do corredor atlântico a restante Europa. Para Carlos Vasconcelos, presidente da Medway, que tem o monopólio do transporte de mercadorias por comboio, «Não é a bitola que impede a ferrovia de ser competitiva e eficiente».

Uma ferrovia que isola

Aqueles que defendem uma mudança para a métrica usada na Europa avisam que caso tal não aconteça o país correrá o risco de se transformar uma «ilha» apenas ligada ao seu vizinho ibérico.

Este aviso, que seguiu sob a forma de uma carta assinada por 29 subscritores, sublinha que sem uma reforma de fundo na ferrovia as regiões periféricas verão os seus desequilíbrios sociais e económicos ainda mais agravados.

A modernização da linha ferroviária nacional faz parte do programa Ferrovia 2020 e das 10 medidas que fazem parte da ideia do economista Costa Silva para «salvar» o país após o fim da crise sanitária provocada pela Covid-19.

Caso se queiram mover mercadorias, por comboio, de Portugal para outra nação europeia, é necessário fazer o transbordo para outra locomotiva com capacidade para andar em carris com a norma europeia. Em Espanha usasse as duas medidas e exemplo disso é a ligação Barcelona-França, que é eléctrica.

A história da bitola Ibérica, que muitos acreditavam que era maior que a usada em outros países para reprimir uma nova invasão francesa, é bem simples e deve-se a engenheiros espanhóis que acreditavam que um maior espaçamento entre os carris iria fazer com que os comboios a favor fossem mais rápidos, o que demonstrou ser uma falácia mas quando os engenheiros deram conta de tal facto era tarde demais para voltar atrás, já que parte da ferrovia já estava parcialmente construída.

Noticias Relacionadas

Como chegámos a uma «Tempestade Perfeita»?

O que é uma «Tempestade Perfeita»? Normalmente quando utilizamos esta expressão estamos a descrever um fenómeno meteorológico que foi criado graças a confluência de vários

Deixe um comentário