A cidade que cruzou o Atlântico

Comparte el artículo:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Na Jangada de Pedra, Saramago imaginava uma Ibéria, com Andorra mas sem Gibraltar, que se despegava da Europa para acabar situando-se entre a Angola e o Brasil.

Desconhecemos como serão as placas tectónicas no futuro. No passado houve um curioso caso de uma cidade que cruzou o Atlântico. Foi a cidade portuguesa de Mazagão, situada na costa norte de África. Não era em vão que os reis portugueses se consideravam como reis dos Algarves e de aquém e além-mar. Para além de possuírem o Algarve europeu, controlavam inúmeras cidades costeiras do Algarve africano, em que em cada um dos extremos temos as cidades de Ceuta e de Agadir.

Populações como Safim, Arcila ou Larache acabaram por ser abandonadas, de modo que em meados do século XVII a presença portuguesa foi notavelmente diminuída. E ainda mais quando Ceuta decidiu não acompanhar Portugal no processo de secessão da Monarquia Hispânica iniciado em 1640. Por seu turno, Tânger foi cedida, juntamente com Bombaim, à Inglaterra em 1661. Desde então, apenas Mazagão ficou ligada a Portugal .

Em 1769, um tratado acabou com a presença portuguesa na cidade. Este foi o início de uma nova vida para Mazagão, já que Pombal decidiu transferir a sua população, composta por 350 famílias, ou seja, cerca de 2.000 pessoas. O local escolhido foi Vila nova de Mazagão, actualmente conhecida Mazagão Velho, no Estado do Amapá, norte da Amazónia. A escolha do local deveu-se aos temores gerados pelas ambições francesas para a área, evidentes apesar do acordo de fronteira de 1713 e do recente desastre de uma tentativa de colonização em Kourou. Um assentamento português permitiria consolidar o controlo desse território.

A igreja de Mazagão era dedicada a Nossa Senhora da Assunção, que havia sido a padroeira da cidade africana. O culto a Santiago, de profundas raízes ibéricas, também foi passado com os Mazagões. Durante a crise dinástica, que se resolveu com os Avis, o culto de Santiago foi substituído pelo patrono São Jorge. É de ressaltar a iconografia de ambos os santos guerreiros. O culto a Santiago continuou a ser importante em Portugal e nos seus domínios. Como também estava nos domínios de seu vizinho ibérico, manifestando-se em vários topônimos na América ou nas Filipinas. O nome Santiago por vezes não estava explicito, como no mexicano Matamoros, ou acabava diluindo-se, como aconteceu em Santiago de los Caballeros da Guatemala.

Igualmente em outros pontos da península, o culto a Santiago de Mazagão vinculou-se em celebrações que relembravam as lutas entre mouros e cristãos. Pouco depois da chegada dos mazaganistas houveram festas que recordavam estes combates. Tais festas continuam a ser celebradas actualmente. Também se transplantou esta tradição para a América espanhola. Por exemplo, em Chimayó (Novo México) é representada uma peça em espanhol, no dia 25 de Julho, sobre mouros e cristãos.

Não muito depois da relocalização de Mazagão produziu-se um caso que apresenta uma certa analogia, só que desta vez no lado espanhol. Orán, também no norte de África, tinha forma parte da monarquia hispânica de forma interrupta de 1509 a 1792. Em 1794, o militar oranés Ramón García de León fundou a vila de San Ramón de la Nueva Orán, na actual Argentina. Só que desta vez apenas o nome e o seu fundador cruzaram o Atlântico.

 

José Antonio Rocamora é doutor em Filosofia e Letras pela Universidade de Alicante, da qual foi professor associado e é atualmente professor honorário colaborador. Publicou em 1994 o livro “O Nacionalismo Ibérico 1792-1930” e presidiu à Associação de Amigos de Timor e, mais tarde, à entidade Timor Hamutuk.

Noticias Relacionadas

Como chegámos a uma «Tempestade Perfeita»?

O que é uma «Tempestade Perfeita»? Normalmente quando utilizamos esta expressão estamos a descrever um fenómeno meteorológico que foi criado graças a confluência de vários

Deixe um comentário