Apontamentos iberistas

Comparte el artículo:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Na minha condição de portuguesa, que viveu em Espanha vários anos, acho que se pode englobar os sentimentos espanhóis e portugueses num único sentimento, o ibérico. Imaginamos um grande país forjado por irmãos que historicamente têm ido de mãos dadas.

Imagina-lo não é suficiente, materializar essa ideia é um trabalho que pode ir nascendo desde a educação mais básica até chegar a projectos mais ambiciosos. Com muita informação, livre e  simples, que chegue ao cidadão comum, que penetre em todos nós, que pretendemos ter uma voz mais forte na União Europeia. Não somos assim tão pequenos, somos importantes. Para a Europa e a sua economia, a Península Ibérica é indispensável.

Como portuguesa, tem sido muito fácil para mim amar a Espanha, as suas ruas, a sua gente, os seus costumes. Sinto-me em casa, nem mais especial ou menos importante. Morei em Madrid e em Barcelona até há alguns meses. De Barcelona tenho várias experiências agridoces. Do ponto de vista de uma portuguesa, não compreendi a necessidade de dominar a língua catalã para conseguir um emprego. Esses obstáculos linguísticos na Espanha do século XXI não deveriam ter lugar numa hipotética Península Ibérica.

Mas nem tudo eram obstáculos. Com o tempo aprendi um pouco de catalão, porque o conhecimento não tem lugar. A diversidade torna-nos mais fortes. Na Catalunha conheci pessoas maravilhosas que me ajudaram. Aprendi com as suas histórias, seus velhos, suas festas, suas conquistas e também os seus fracassos. Apesar dos muitos contras, os aspectos positivos foram sempre mais. Amo Barcelona, ​​tão cheia de música e poesia.

Quero insistir na educação, a escola desempenha um papel muito importante e a Península Ibérica deve ser construída a partir da escola. O meu filho tem 7 anos e já fala espanhol, catalão e português. A variedade linguística não deve ser um problema mas deve ser visto com uma grande vantagem, especialmente porque na Península Ibérica falamos duas línguas estreitamente relacionadas e universais. Se conseguirmos uma verdadeira aliança entre as nossas línguas, talvez o resto dos europeus se preocupem mais em estudá-las e aprendê-las. Numa União Ibérica, seríamos quase 60 milhões de habitantes, ganharíamos força e representação nas instituições europeias e isso é vital para o nosso presente e o nosso futuro. Quanto mais integração e coordenação conseguirmos, melhor será o futuro que alcançaremos, estou convencida disso.

É importante destacar que no Ensino Secundário em Portugal estuda-se uma língua estrangeira, para além do inglês, que pode ser escolhida entre o espanhol, o francês e o alemão. Esta fórmula permite que qualquer cidadão lusitano, laboralmente activo, tenha uma noção básica da língua castelhana aprendida na escola e que ajuda nas relações comerciais e por um turismo de proximidade que tantas vantagens nos trazem.

Vou saltando de um pensamento para o outro, de uma ideia para a outra, de rajadas que explodem cheias de emoção para poder expressar o meu amor pelos dois países, que assim como gosto de um fado e de um prato de bacalhau assado me apaixono por ouvir um pasodoble ao bater de um copo de Rioja e um prato de marmitako, pois a Espanha é muito grande, e aqui se come migalhas nas Astúrias, fabas em Alicante e uma paella em Burgos. A riqueza cultural que podemos reunir é extraordinariamente rica.

Sou uma iberista experiencial, as minhas experiências de vida configuraram em mim um pensamento no qual vejo a Península Ibérica como um todo, e não como dois países separados por uma fronteira.

A ideia de poder ir de Lisboa a Santander, ou de Sevilha a Coimbra, dentro do mesmo espaço cultural é maravilhosa. Seria necessário que as nossas políticas convergissem a cada dia, para facilitar o desenvolvimento e a fraternidade entre os nossos povos.

No meu trabalho no sector turístico, tão ferido pela crise da Covid, pude observar a complementaridade de Espanha e Portugal. Somos duas potências turísticas que juntas podemos liderar o turismo mundial devido a nossa variedade de oferta e pelas nossas infra-estruturas, que são as mais completas do globo.

Somos um grande povo ibérico, juntos poderemos nos desenvolver mais e melhor, fazendo ouvir a nossa voz com renovando forças na Europa e no mundo inteiro.

Dolores Da Silva F.

Noticias Relacionadas

Como chegámos a uma «Tempestade Perfeita»?

O que é uma «Tempestade Perfeita»? Normalmente quando utilizamos esta expressão estamos a descrever um fenómeno meteorológico que foi criado graças a confluência de vários

Deixe um comentário